O governo deverá enviar até o mês de julho os pontos principais da reforma da Previdência para votação no Congresso. Esta foi a afirmação do atual ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, feita nesta segunda-feira, dia 13, após reunião com a centrais sindicais, no Palácio do Planalto. Esta foi a segunda reunião entre ambos os lados para se discutir os detalhes das mudanças no regime de aposentadoria brasileiro.

Todos os pontos ainda não foram fechados, pois, ainda há a discussão com as centrais sobre quais medidas deverão ser adotadas para se tentar minimizar o rombo do sistema. Atualmente, o setor previdenciário brasileiro amarga prejuízo de R$ 136 bilhões.

Publicidade
Publicidade

Os principais representantes das associações sindicais defendem algumas medidas para tentar sanar a questão. São elas: o refinanciamento de dívidas antigas; a venda de imóveis da União, que estariam sendo subutilizados; além do aumento da fiscalização do setor junto à sociedade; a regulação dos chamados jogos de azar; e uma revisão imediata das isenções por parte de entidades de caráter filantrópico.

O #Governo, por sua vez, rebate tais alternativas afirmando que se fossem adotadas na sua totalidade, serviriam apenas para abater cerca  de R$ 50 milhões do montante inicial. De acordo com o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), presidente da Força Sindical,  os equívocos do passado devem ser corrigidos pela atual equipe econômica. A partir daí, todos poderão ter uma ideia real do tamanho do rombo nas contas da Previdência.

Publicidade

Ele afirmou ainda que as mudanças não podem acontecer aos saltos e, por isto, defende que novas rodadas de negociações deverão ser feitas com o Ministério do Planejamento.

A intenção é que, com as mudanças, o sistema previdenciário no Brasil possa seguir a mesma tendência dos demais no resto do mundo e tornar-se autossustentável. As discussões deverão girar em torno do limite mínimo para a aposentadoria. Com as constantes crises econômicas e o crescente envelhecimento da população, alguns países europeus foram obrigados a aumentar o limite mínimo de aposentadoria.No Brasil, com o atual regime previdenciário, ainda não existe esta faixa.  #Crise no Brasil #PrevidenciaSocial