Na 24° fase da Operação #Lava Jato, batizada de Operação Aletheia, que se iniciou no dia 4 de março, o objetivo foi investigar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que a partir de agora passa a ser denunciado criminalmente pelo juiz federal Sérgio Moro, na Procuradoria da República de Curitiba, as denúncias envolvem a participação do ex-presidente com a #Corrupção da Petrobras e envolvimento de cartel, nessas investigações #Lula foi conduzido coercitivamente para depoimentos.

As investigações serão ampliadas pelas novas informações que a Operação Aletheia resgatou, surgindo novas perícias e novos documentos apreendidos, completando informações sobre a compra e a reforma do sítio em Atibaia (SP) que evidencia crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, um triplex no Guarujá/SP, e valores recebidos pelo Instituto Lula e pela LILS Palestras e Eventos.

Publicidade
Publicidade

O ministro Teori Zavascki aceitou em pedido da Procuradoria-Geral para que as denúncias contra Lula fossem entregues de volta para Sérgio Moro, Teori apenas enfatizou que os áudios grampeados da presidente afastada Dilma Rousseff com Lula, fossem descartados da operação como prova. 

Os investigadores avaliaram que com a jurisprudência criada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), Lula poderá ser conduzido a uma prisão, sem nem mesmo passar pelo processo de julgamento, acontecendo uma prisão imediata em condenados de segunda grau. Esse seria o maior problema do ex-presidente, com a volta das investigações da Operação Lava Jato voltadas a ele. Caso Lula seja condenado por Moro até 2017, o petista ficará suscetível a uma pena de prisão em 2018, devido a nova regra.

Conforme o jornal "Estadão" revelou em 23 de abril, os investigadores da Lava Jato tem provas suficientes para uma eventual prisão de Lula, mas ainda avaliam como as informações das denúncias serão apresentadas.

Publicidade

No primeiro pacote de investigações, o sítio em Atibaia constará denúncias importantes, sobre a reforma e compra do sítio, envolvendo a empreiteira Odebrecht e a OAS do pecuarista José Carlos Bumlai, a antena instalada da "Oi" e o armazenamento de bens.

Com a apuração ampliada, Sérgio Moro completará informações no inquérito de Lula, e uma imediata prisão poderá acontecer.