O ministro do Supremo Tribunal Federal, Celso Mello, encaminhou para o juiz federal Sérgio Moro, a abertura de inquérito contra o ex-ministro da Casa-Civil do governo Dilma Rousseff, Jaques Wagner. O ministro Celso Mello disse que atendeu um pedido do procurador-geral da República Rodrigo Janot, baseado na delação do senador cassado Delcídio do Amaral. 

Ainda não se sabe qual o núcleo das investigações contra Wagner, mas Janot pede para o Supremo enviar para Sérgio Moro, para que possa ser verificada a conexão dos fatos em decorrência da Operação #Lava Jato e para que as medidas cabíveis sejam adotadas. Mello afirmou que Wagner não tem mais foro privilegiado, pois não é mais ministro e por isso o motivo de envio da abertura de inquérito para o juiz Sérgio Moro.

Publicidade
Publicidade

Delatores

O ex-ministro de Dilma, Jaques Wagner, já foi citado por outros delatores da Lava Jato. Foram descobertas trocas de mensagens entre o ex-ministro e o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro. O ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, também mencionou algumas vezes Jaques em seus depoimentos, porém, o ex-ministro nega qualquer irregularidade contra sua pessoa.

STF em silêncio

O Supremo Tribunal Federal optou pelo silêncio ao saber das informações vazadas sobre os pedidos de prisão da cúpula do PMDB feitas por Janot. Durante a sessão do Plenário, esse assunto não foi debatido e pessoas próximas a Teori Zavascki, ministro do Supremo e relator da Lava Jato no STF, disseram que ele não tem pressa em deliberar sobre esse assunto. Os pedidos feitos pelo procurador-geral da República, chegaram ao Supremo há mais de três semanas.

Publicidade

Existem rumores de que os pedidos foram vazados pelo Ministério Público, com o intuito de pressionar o STF a se posicionar mais rapidamente.

O senador Romero Jucá, o ex-presidente José Sarney e Renan Calheiros, presidente do Senado, são suspeitos de tentarem atrapalhar a Operação Lava Jato, depois que áudios gravados pelo empresário Sérgio Machado foram divulgados. Eduardo Cunha, presidente afastado da Câmara, também está citado nos pedidos de Janot enviado ao STF. #PT #Corrupção