Nesta quinta-feira (9), o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro Aroldo Cedraz, levou ao #Congresso Nacional o relatório com o resumo das atividades de 2015 e primeiro trimestre de 2016. Ambos períodos referentes à gestão da presidente afastada #Dilma Rousseff. Cedraz entregou ao presidente do Senado, Renan Calheiros.

Mesmo sem haver o julgamento das contas do TCU, nesta quinta-feira (9), na reunião da Comissão do #Impeachment que teve início na manhã de quarta-feira (8), foram ouvidas testemunhas indicadas pela acusação e pelos senadores.

Entre elas o procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Júlio Marcelo de Oliveira; Antônio Carlos Costa d’Ávila Carvalho, auditor do TCU; Adriano Pereira de Paula, coordenador-geral de Operações de Crédito do Tesouro Nacional (Copec) e Otávio Ladeira de Medeiros, secretário do Tesouro Nacional.

Publicidade
Publicidade

Tanto o procurador Júlio Oliveira quanto o auditor Antônio Carvalho, do TCU, denunciaram que a presidente Dilma Rousseff efetuou quatro decretos de créditos suplementares sem a autorização do Congresso Nacional, além do crime de responsabilidade fiscal ao atrasar repasses ao Banco do Brasil para o pagamento de benefícios do Plano Safra (Pedalada Fiscal).

Ambos os funcionários do Tesouro Nacional afirmaram que os atrasos do governo federal para quitação nos repasses para subsidiar o Plano Safra foram regularizados ainda em 2015. Adriano Pereira de Paula afirmou que ele nunca se comunicou com a presidente Dilma Rousseff sobre esses atrasos. 

Os advogados da presidente afastada, Dilma Rousseff, solicitaram perícia nas contas enviadas pelo TCU, o que gerou muita confusão na reunião. Embora o relator Antônio Anastasia (PSDB-MG) tenha apoiado a defesa, o pedido de perícia foi rejeitado pelos senadores.

Publicidade

José Eduardo Cardoso, advogado de Dilma, disse que irá recorrer ao juiz do processo Ricardo Lewandowski. José Cardoso afirma que "a acusação tem medo da perícia".

Ficou marcado para escutar as testemunhas Tiago Alves de Gouveia Lins Dutra, Marcus Pereira Aucélio, Esther Dweck, Leonardo Rodrigues Albernaz nesta segunda-feira dia 13 de junho 2016. 

O julgamento do relatório de contas entregue pelo TCU deve acontecer nos próximos dias.