O presidente interino Michel Temer afirmou nesta terça-feira (28) em seu discurso, durante inauguração da nova unidade da fábrica de celulose Klabin, que a renegociação da dívida dos estados irá permitir que cada unidade da federação invista estes recursos em seu território como medida para acabar com o desemprego.

A fábrica foi inaugurada em Ortigueiras (PR) e representa o maior investimento privado da história no estado. Foram investidos R$ 8,5 bilhões com ajuda de recursos do BNDES, e irá gerar cerca de 1.500 novos empregos diretos e indiretos.

Em seu discurso deixou claro que não irá aguardar resultado do impeachment para exercer atividades de presidente “efetivo” da república, embora muitos venham falando que ele está adotando medidas que podem não permanecer caso a Presidente Dilma Rousseff volte ao cargo.

Publicidade
Publicidade

“O Brasil não pode parar, portanto eu não posso parar”, disse #Michel Temer.

Temer ainda falou em seu discurso que vários foram os resultados de seu trabalho como presidente da república, como exemplo citou o apoio do Congresso Nacional e a aprovação do projeto que, segundo ele, “resolveu a questão dos estados da federação brasileira”.

Ele ainda citou o Paraná como exemplo do resultado positivo da renegociação de dívidas, pois no estado será reinvestido aproximadamente R$500 milhões em obras, acarretando na geração de novos postos de trabalho, o que deverá ocorrer em todos os estados brasileiros. 

Ressaltou o papel importante que iniciativas privadas exercem, contribuindo para o crescimento do Brasil.

Em respostas a abordagem de jornalistas sobre a quantia que o BNDES terá que devolver ao Tesouro, o presidente respondeu que embora a devolução de ativos ocorra isso não irá resultar em possível redução da capacidade de financiamento pelo mesmo.

Publicidade

A presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social já havia afirmado em sua posse que esta “medida do governo para retomada do crescimento econômico” não implicaria na capacidade do banco em realizar novos financiamentos. Ela afirmou ainda que com a retomada da economia o BNDES poderá “captar recursos privados no mercado de capitais, com debêntures e com captações externas”. #Dilma Rousseff #Dentro da política