A presença dos deputados Paulinho da Força e Beto Mansur em um voo da Gol que ia de São Paulo para Brasília neste domingo (19) causou um grande tumulto na aeronave. Passageiros que estavam no avião identificaram os dois congressistas e começaram a chamá-los, em coro, de golpistas. A confusão começou quando um dos passageiros reconheceu Paulinho da Força, se levantou e foi até o meio da aeronave fazer um discurso. "Colegas, amigos, passageiros. Neste voo nós temos, infelizmente, um deputado que é contrário aos direitos trabalhistas, ao direito da população", começou o passageiro não identificado. "Ele representa uma central sindical que a gente chama de massa sindical", acusou.

Publicidade
Publicidade

Inflamados pelo discurso, os passageiros começaram a gritar "golpista" e "fora golpista" para Paulinho, que permaneceu calado em seu assento. Em poucos segundos formou-se um coro de "golpista", "golpistas, fascistas, não passarão" e "não vai ter golpe", acompanhado por palmas. Outras ofensas foram "corrupto", "traidor" e "ladrão". As aeromoças tentaram intervir e solicitaram ao passageiro que fazia o discurso para retornar ao seu lugar. 

Assista:

Beto Mansur (PRB), que estava sentado em uma poltrona mais à frente, decidiu levantar e defender Paulinho, dando início a um bate-boca com os manifestantes. Em resposta, os passageiros voltaram a gritar em coro: "golpista, golpista, golpista". Beto Mansur rebateu dizendo que os manifestantes é que eram os golpistas. No vídeo dá para ouvir uma voz feminina gritar "Beto Mansur ladrão".

Publicidade

O deputado grita de volta, mas não é possível identificar o que ele fala. Novo coro de "golpistas, fascistas, não passarão". Assista:

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, o protesto foi iniciado por bancários do Banco do Brasil que estavam no avião. Em entrevista ao jornal, Beto Mansur disse que faltou pouco para que uma briga tivesse início. "Eu estava sentado na primeira fileira. Tinha uns caras do meu lado, eu vi um negocio escrito `Fora Temer' nos cadernos deles, mas não falei nada. Mas, quando começaram a agredir o Paulinho, acabei me insurgindo porque estavam todos contra ele".  #Manifestação #Impeachment #Protestos no Brasil