Preso desde 23 de fevereiro de 2016, o engenheiro Zwi Skornicki assinou acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF). Zwi foi preso na 23° fase da #Lava Jato, apelidada de Acarajé, onde também foram presos o marqueteiro João Santana e sua Esposa Mônica Moura. Ele é representante da Keppel Fels no Brasil.

Por meio de declarações de Pedro Barusco ao MPF, foi relatado que o PT recebia cerca de 1% dos contratos celebrados entre a Petrobras e Keppel Fels no Brasil, com o objetivo principal de negociar apoio político, pagar dívidas e despesas do partido, e também custear os gastos de campanha.

Grande parte dos valores pagos ao PT em 2013 e 2014, um montante de US$ 4,5 Milhões, teria financiado as campanhas do ex-presidente Luis Inácio Lula da Siva, e da Presidente Dima Rouseff.

Publicidade
Publicidade

Essa quantia teria sido paga por intermédio de contas no exterior, tendo como beneficiários Mônica Moura e João Santana.

Consta legalmente registrado como doação para campanhas do PT nas eleições de 2014, pela empresa Keppel Fels, o valor de R$ 530 Mil, pagamento feito por Zwi Skornicki a Mônica Moura.

Entre 2013 e 2014, Zwi teria recebido comissões milionárias, intermediando contratos das empresas Queiroz Galvão, Iesa, Saipem, Ensco e UTC . 

Constam ainda nos registros do Supremo Tribunal Federal, em abril de 2016, duas petições enviadas pelo advogado de Zwi para que haja liberação parcial de ativos financeiros de sua propriedade e da empresa “Eagle do Brasil Ltda.”, e restituição de cinco veículos e aparelhos eletrônicos apreendidos em sua residência como medida cautelar da operação Lava Jato. Registros também mostram que o patrimônio do empresário cresceu 35 vezes em 10 anos. 

Foram apreendidos mais de R$ 6 milhões, em 23 de fevereiro de 2016, referente ao ativos da empresa Eagle do Brasil Ltda, em sociedade com seu filho Bruno Scornick, e na conta pessoal do empresário. 

Zwi fechou, nesta quarta-feira (08), um acordo de delação premiada em Curitiba. O acordo ainda não foi homologado pelo juiz Sérgio Moro. Acredita-se que o depoimento do engenheiro poderá confirmar se a propina financiou a candidatura da presidente #Dilma Rousseff.

Publicidade

#Dentro da política