No início dessa madrugada de quarta-feira, 27, hackers invadiram o site oficial do político petista e ex-senador da República, Eduardo Suplicy. A mensagem deixada no site insinua que o político estaria se aproveitando da detenção de segunda-feira, 25, para obter eleitores para a corrida eleitoral desse ano.

O site original perdeu seus links e janelas, ganhando apenas uma home única com uma foto do momento em que o ex-senador era carregado pelos policiais. Palavras escritas incorretamente em ofensa a Eduardo também foram apresentadas na tela. Em fonte menor, o realizador do ato, sob pseudônimo de ‘P&rlcK & MrDeface’, escreveu ‘Bolsomito 2018’.

Publicidade
Publicidade

Por ser início da madrugada, a mensagem não foi notada pela assessoria do político, mas por alguns internautas. A invasão não tem ligação com o deputado federal Jair Bolsonaro, sendo um ato independente e de responsabilidade de seus realizadores.

Relembre a detenção de Eduardo

Na última segunda-feira, 25, Suplicy estava junto com moradores que invadiram um terreno em São Paulo, quando a Polícia Militar cumpriu ordem judicial para retirar os invasores do local. A propriedade é da prefeitura e a ordem partiu da mesma, que é administrada por Fernando Haddad, filiado ao mesmo partido que Eduardo.

Na ocasião, Suplicy e os moradores deitaram-se no chão, para evitar a reintegração de posse, entretanto alguns policiais militares o retiraram do local à força por desobediência à ordem oficial. Suplicy foi levado para uma delegacia onde foi lavrado um boletim de ocorrência e o mesmo foi liberado em seguida.

Publicidade

Em entrevista à Carta Capital e ao Estado de S. Paulo, nessa terça-feira, 26, o ex-senador disse que não quis tumultuar a reintegração e que, ao contrário, teria deitado no chão para evitar que uma confusão maior ocorresse. O político também esclareceu que não foi destratado pelos policiais que o conduziram até a delegacia, tão pouco pelos agentes que o atenderam na delegacia. Eduardo Suplicy é candidato a vereador pelo Estado de São Paulo nas #Eleições 2016. #PT #Internet