O deputado Rodrigo Maia do Partido dos Democratas (#DEM) é o novo Presidente da #Câmara dos Deputados. Após 13 anos de jejum, conseguiu, nessa madrugada (14), uma vitória com folga do segundo concorrente, o parlamentar, Rogério Rosso. Maia, contou com o apoio dos principais aliados de Temer e principalmente do Planalto.

Os trabalhos tiberas início ainda na noite de quarta-feira (13), mas o resultado do painel eletrônico só acusou o vitorioso na madrugada desta quinta-feira, quando foi divulgado o nome de Rodrigo Maia para Presidente da Casa, sucedendo o então deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Maia venceu com 285 votos no segundo turno e concorreu com o deputado Rogério Rosso (PCD-DF), o qual alcançou 170 votos, não se elegendo para o cargo.

Publicidade
Publicidade

A disputa ainda teve, em terceiro lugar, com 70 votos, o parlamentar Marcelo Castro (PMDB-PI), apoiado pelo PT, talvez por ter sido um dos ex-ministros da presidente afastada Dilma Rousseff.

O democrata agora, mais do que nunca, faz parte das grandes atenções políticas, até porque, se tornou, com a posse, o futuro substituto para assumir o Presidente Michel Temer em suas possíveis viagens para fora do país.

Momentos antes do segundo turno, Rodrigo Maia sustentou a Independência da Casa e ressaltou conforme uma entrevista da revista "VEJA" a ideia de "acabar com o império dos líderes", argumentando ainda que "Os líderes são fundamentais, mas não são os únicos que têm direito à palavra ...Vamos devolver o plenário à soberania", sinalizou o candidato que, naquele momento em que discursava, ainda não sabia da sua vitória, afirmou a revista.

Publicidade

Com a confirmação do placar, o Deputado foi empossado imediatamente, agradecendo o apoio de político e dos seus familiares, emocionando-se, ao proferir as palavras de gratidão.

Com fortes aliados como os partidos do PSDB, PPS, DEM e o PSB, formaram a sustentação da bancada de apoio. Outra novidade, foi o  posicionamento do Governo que em um primeiro instante, alegou que não seria conivente na escolha do futuro presidente da Câmara, em contrapartida, articulou contra a vitória de Marcelo Castro.

O posicionamento singelo de Temer pode ser entendido em virtude das propostas que ainda estão em tramitação na Casa e precisam ser aprovadas, além de um pedido de 'impeachment' contra o peemedebista que vem sendo protelado pelo presidente interino Waldir Maranhão (PP-MA), mesmo com a deliberação do Supremo Tribunal Federal (STF) para dar continuidade ao processo.

Maia participou incansavelmente para o afastamento da Presidente de Dilma Rousseff. Enquanto o deputado Marcelo Castro, trabalhou para a permanência definitiva da petista.

Publicidade

Atualmente, o nome de Maia não está vinculado a nenhum processo no STF, mas já houve acusação por parte de delatores da Operação Lava Jato, por meio de mensagens solicitando doações ao empreiteiro Léo Pinheiro, da OAS. O parlamentar está na lista do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, com um pedido de inquérito.

Com relação ao segundo colocado Rogério Rosso, o deputado faz parte da turma do 'centrão', aqueles aliados fieis de #Eduardo Cunha, mas que, após a renúncia da presidência, o bloco perdeu forças.

Por fim, a vitória de Maia possibilitou o retorno do DEM à presidência da Câmara dos Deputados, após treze anos, sendo que, o último deputado a comandar a Casa foi Efraim de Moraes, no período de 2002 e 2003.  Rodrigo Maia deve cumprir o restante do mandado de Cunha, ou seja, fica no comando por aproximadamente sete meses, abrindo novas eleições para o cargo em 2017.