A presidente afastada #Dilma Rousseff está aguardando os resultados da votação do #Impeachment. Enquanto isso não acontece, o Brasil está sendo comendado pelo interino Michel Temer. Abaixo, acompanhe todos os números do placar atualmente. Ressaltando que os dados são atualizados pelo ‘Estadão’, que apura os votos dos senadores que já se posicionaram a favor e contra a proposta. Há também os que ainda não revelaram seus votos publicamente, e os que ainda estão indecisos.

Contra a proposta

Os senadores que dizem ‘não’ ao impeachment são, em sua maioria, petistas e de partidos que apoiam o ‘Partido dos Trabalhadores’. Os mesmos parlamentares alegam que o processo é ilegítimo e que Dilma foi afastada do cargo sem ter cometido nenhuma irregularidade.

Publicidade
Publicidade

Afirmam, ainda, que não há nenhum motivo consolidado para que a presidente seja impeachmada.

Por enquanto, são 18 governistas que votarão ‘não’, no dia em que a proposta for avaliada.

A favor da proposta

Os parlamentares que votarão a favor do impeachment são, em sua maioria, dos seguintes partidos: PSDB, PMDB e PP. Os senadores que são favoráveis à proposta alegam que Dilma Rousseff deve ser afastada definitivamente, pois cometeu irregularidades em seu governo, e, por isso, não pode voltar a comandar o Brasil, além disso, deve ficar inelegível por 8 anos.

São 38 votos a favor do impeachment, e um dos maiores defensores do processo é Aécio Neves, que concorreu às eleições de 2014, com a presidente afastada, onde Dilma saiu vitoriosa e garantiu seu segundo mandato.

Os que não opinaram

Nada ainda está decidido, já que 19 senadores não revelaram seus respectivos votos, o que abre precedentes para possíveis negociações, pois Dilma não quer cair, e Temer quer permanecer no poder.

Publicidade

Esses votos, com certeza, serão decisivos no dia da votação final, pois são esses 19 parlamentares que decidirão o futuro da presidente afastada.

Indecisos

Outro grupo que mantém o suspense na votação são os ‘indecisos’. Seis senadores ainda não sabem quais serão suas respectivas conclusões no dia da votação.

Se a proposta for aprovada, Dilma será afastada definitivamente, além de ficar 8 anos inelegível.

Se a proposta ser negada, Dilma voltará ao principal cargo da República Federativa do Brasil.