O senador José Medeiros (PSD-MT), através de sua conta no Twitter, fez uma acusação grave e que está causando polêmica no meio político. Medeiros acusou o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva e a presidente afastada #Dilma Rousseff de tentarem comprar seu voto no processo de impeachment de Dilma.

Um internauta questionou, na sua publicação, se ele já tinha vendido o seu voto para o Partido dos Trabalhadores. O senador respondeu que já tinha o voto definido, embora tivesse sido convidado por Lula para ir ao Hotel Tulip, em Brasília (local onde Lula está hospedado), e sido convidado também para ir ao Alvorada, residência oficial da presidente afastada.

Publicidade
Publicidade

Elogios

De acordo com José Medeiros, a comissão do impeachment é muito competente e mostra todos os fatos das denúncias contra Dilma Rousseff de uma maneira clara e coerente. O senador elogiou também o relator do processo, Antonio Anastasia (PSDB-MG) pelo excelente trabalho feito. Segundo o senador, a população brasileira conheceu melhor todos os detalhes da comissão do impeachment, onde foram editados decretos sem autorização do Congresso e operações bancárias com dinheiro público.

Desculpas

Medeiros criticou a ausência de Dilma na comissão para se defender. Dilma perdeu a oportunidade de falar para o povo e explicar porque o discurso de sua campanha foi um e depois no cargo, teve outro tipo de atuação, disse Medeiros.

A presidente afastada tem que pedir desculpas para o Brasil e se redimir, ao invés de agir entre dois discursos: o de "coitadismo"  e outro, que em alguns momentos, "beira a soberba".

Publicidade

Lula

O ex-presidente Lula busca acordos com senadores para conseguir votos a favor de Dilma na comissão do impeachment. A aposta do PT é reverter o voto de senadores que estão indecisos, principalmente do Nordeste. Os senadores que estão no alvo do ex-presidente são: Acir Gurgacz (PDT-RO), Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) e Cristovam Buarque (PPS-DF). Lula pretende manter o discurso de que, caso Dilma volte, o governo será "diferente" e ele estará no comando para mudanças imediatas na política econômica. #Senado Federal