Um depoimento feito pelo amigo do ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva é mantido sob sigilo e está nas mãos do juiz federal Sérgio Moro, a pedido da Polícia Federal. O pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula, revelou detalhes sobre o Instituto Lula, a respeito da aquisição do terreno e das obras na sede do Instituto. Esse depoimento é guardado a sete chaves para que se preserve a eficácia das investigações.

Bumlai foi preso em 24 de novembro do ano passado, alvo da Operação Passe Livre, deflagrada na 21ª fase da #Lava Jato. Ele é acusado de ter pego R$ 12 milhões junto ao "banco Shahin" e repassado esse dinheiro para os cofres do Partido dos Trabalhadores.

Publicidade
Publicidade

Essa acusação não se refere ao depoimento secreto preservado pelo juiz Sérgio Moro.

Depoimento secreto

Diante de um novo depoimento de Bumlai, Sérgio Moro determinou o sigilo das informações, pois muitas investigações ainda serão feitas para apurar a veracidade dos fatos. O amigo de Lula respondeu às autoridades policiais perguntas referentes também à empresa envolvida no esquema de desvio de recursos da #Petrobras, Odebrecht. 

Bumlai é peça-chave em um imóvel, que seria de Lula, mas, de acordo com a Lava Jato, está no nome dos amigos do ex-presidente. O imóvel em questão, Sítio Santa Bárbara, fica na cidade de Atibaia em São Paulo.

Advogados de Lula

Nesta terça-feira (05), os advogados do ex-presidente Lula protocolaram um pedido para que o juiz Sérgio Moro, se declare suspeito para julgar ações penais contra Lula.

Publicidade

Isso só é cabível quando o juiz alega falta de imparcialidade. A defesa do ex-presidente comentou que esse pedido tem a ver com diversos atos de Moro, como por exemplo, a condução coercitiva de Lula para que ele prestasse depoimento e a divulgação de conversas interceptadas pela Polícia Federal, configurando, na visão dos advogados, como abuso de autoridade.

A defesa espera que Moro reconheça a perda de sua imparcialidade e passe o processo para outro juiz. O juiz Sérgio Moro declarou que irá se manifestar sobre o pedido da defesa do ex-presidente em breve.