O PSOL anunciou que, na segunda-feira, 11, irá se reunir para decidir se lança ou não Jean Wyllys como candidato à presidência da #Câmara dos Deputados. Embora o deputado não tenha aliados dentro da Casa, sua eventual candidatura visa dar visibilidade ao partido dentro da Câmara.

Jean não divulgou nenhuma nota oficial sobre o partido aceitá-lo ou não como candidato, devendo fazer isso apenas na segunda-feira. Mesmo com a decisão do partido ser tomada só na segunda-feira, outros seis parlamentares já se candidataram ao cargo e outros podem se lançar ainda na segunda, uma vez que a votação ocorrerá na quinta-feira, 14.

Os nomes que devem disputar o lugar de Cunha até o momento são:

  • Marcelo Castro e Fábio Ramalho, pelo PMDB: Vale ressaltar que, apesar de serem do mesmo partido, os políticos estão em posições contrárias. Marcelo foi ex-ministro de Dilma e votou contra o impeachment. Tal decisão faz com que a bancada do PT apoie o peemedebista;
  • Carlos Manato, do PSD;
  • Heráclito Fortes, do PSB;
  • Fausto Pinato, do PP, foi o relator do processo contra #Eduardo Cunha;
  • Carlos Gaguim, do PTN.

O que esperar do novo presidente da Câmara?

Os favoritos ao pleito, que são Rogério Rosso e Jovair Arantes, já afirmaram que não pretendem se candidatar, logo, ainda é cedo para dizer qual dos já inscritos na eleição poderão vencer.

Publicidade
Publicidade

Levando em consideração a atual situação política, os candidatos contrários ao antigo governo Dilma e a esquerda, em geral, possuem mais chances, uma vez que a maior parte dos partidos está na condição de oposição, atualmente. No dia da votação de admissibilidade da abertura do processo contra Dilma, houve partidos que, por unanimidade, votaram a favor da saída de Dilma, como PSDB e PSC.

Se um político da oposição ganhar, a tendência é manter o atual ânimo da Casa, mas, se eventualmente um parlamentar da esquerda vencer o pleito, haverá grande mudança na rotina dos parlamentares, o que pode travar alguns projetos por discordância entre presidente e oposição.

Apesar dos partidos do 'centrão' terem tentado adiantar a votação para terça-feira, 12, Waldir Maranhão, o presidente interino da Câmara, reforçou que a votação só ocorrerá no dia 14 de julho, sem a possibilidade de mudanças.

Publicidade

#Eleições