O líder religioso Marcos Klein, da igreja Comunidade Bíblica da Graça, causou polêmica ao publicar uma foto com o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) no Facebook. Essa foto foi tirada em um voo comercial entre Rio de Janeiro e Londres. O pastor viajava de férias e Wyllys estava em uma missão oficial. Na foto os dois aparecem sorrindo, porém, o bispo escreveu na legenda palavras fortes contra o deputado. 

Marcos Klein disse na legenda que o deputado pensou que ele estava sorrindo por ter conseguido tirar a foto, mas na verdade, o sorriso era apenas por ter tido a oportunidade de encostar as mãos em Wyllys para começar um processo de conversão.

Publicidade
Publicidade

O pastor acrescentou na legenda a seguinte frase: "ou se converte, ou morre"

Analisando a foto, podemos ver que Jean Wyllys estava alegre pensando que o pastor poderia ser um fã do seu trabalho. Essa crítica do bispo ao deputado acabou causando uma grande repercussão e ele teve que apagar o post para não criar mais confusão. 

Atualmente o religioso mora no Chile, mas a sua igreja tem sede no Estado do Rio de Janeiro. A homossexualidade e a defesa do deputado pelas causas da LGBT, como o casamento gay, deixa muitos religiosos revoltados e incomodados com essa situação e diante disso o deputado sofre esses tipos de preconceitos.

Vários seguidores do bispo evangélico aplaudiram o fato, mas mesmo assim ele apagou a foto e os dizeres. A foto já estava com mais de mil compartilhamentos e um dos seguidores ainda disse num comentário que se tivesse mais dois minutos, com certeza, o deputado seria jogado pela janela do avião. 

A assessoria do parlamentar comentou que o caso será levado à #Polícia Federal e que as providências serão tomadas.

Publicidade

Os assessores também disseram que um grande ódio toma conta desses religiosos radicais e esse fundamentalismo religioso sempre será denunciado. Se caso o deputado for à Polícia mesmo, o bispo terá que dar muitas explicações por ter ferido a moral do parlamentar. 

A publicação do post no Facebook foi deletada nesta quarta-feira (20) por volta das 11:30hs. #Câmara dos Deputados #Fanatismo religioso