Após a esperada renúncia do deputado Eduardo Cunha à presidência da #Câmara dos Deputados, na quinta-feira (7), começou a real disputa pelo cargo. Inicialmente agendada pelo presidente interino da Casa Waldir Maranhão (PP/MA) para uma semana após a renúncia, a sessão extraordinária que elegerá o novo presidente foi antecipada para terça-feira (12). De acordo com o regimento interno da Câmara, é possível convocar sessão extraordinária para a votação com a concordância de líderes partidários que representem ao menos 257 parlamentares. Na reunião, realizada sem que Maranhão fosse consultado, foram contabilizados 280 votos a favor e 143 contra a antecipação.

Publicidade
Publicidade

O secretário-geral da Mesa Diretora foi exonerado por Maranhão, pela participação na reunião em que os líderes dos partidos desautorizaram sua decisão sobre a data.

Quem está na disputa

O partido com maior número de candidatos que almejam a presidência da Câmara é o PSB, com três. A seguir PMDB e DEM, com dois candidatos cada. Os demais, com um candidato cada um, são PSDB, PSD, PP, SD, PRB, PR e PTB. Rogério Rosso (DF) do PSD é um dos mais cotados. Depois dele, Rodrigo Maia (DEM/RJ) e Fernando Giacobo (PR/PR).

Vale lembrar que Giacobo é o deputado sortudo que, em 1997, ganhou 12 diferentes prêmios de loterias da Caixa Federal em apenas 14 dias, somando um total de R$ 134 mil. Segundo ele, graças à sorte e à ajuda de Deus.  

Rodrigo Maia é um dos nomes que consta na lista de Marcelo Odebrecht apreendida pela Polícia Federal, que registra os repasses da empreiteira a políticos.

Publicidade

Na lista, o nome do deputado aparece com um valor de "500", o que pode torna-lo alvo da Lava Jato. O procurador-geral da República Rodrigo Janot deve pedir autorização ao Supremo Tribunal Federal para investigar o parlamentar.

Rogério Rosso, favorito ao cargo, antes aliado de Dilma Rousseff, mudou de lado e presidiu a comissão que analisou o pedido de impeachment da presidente afastada. No escândalo do mensalão do DEM, Rosso foi acusado de recebimento de propina. Segundo o delator Durval Barbosa, o Ministério Público do Distrito Federal possui imagens do deputado recebendo o dinheiro. Rosso nega.