Pouco depois das 13h, o até então presidente da Câmara #Eduardo Cunha renunciou ao cargo. Ele anunciou sua renúncia em coletiva de imprensa. Após fazer seu pronunciamento, ele saiu do ambiente sem responder perguntas dos jornalistas. A partir de agora, a Câmara dos Deputados tem cinco sessões para realizar novas eleições para o cargo de presidente da Casa.

Ao entrar no Salão Verde da Câmara, ele foi recebido com gritos "fora Cunha". Enquanto falava e explicava sua decisão, sua voz embargou e lágrimas surgiram em seus olhos; isso aconteceu quando ele mencionou a sua esposa e sua filha que, de acordo com ele, foram alvo de perseguição.

Publicidade
Publicidade

Eduardo Cunha disse ainda que está "pagando um preço alto" por ter dado o ponta pé inicial no processo de impeachment de Dilma Rousseff e que tem certeza de que esse foi o principal motivo para ele ter sido afastado do cargo. Para se justificar sobre essa ideia, se referiu a datas: o pedido de afastamento foi protocolado após ele decidir abrir o processo e foi apreciado sem previsão constitucional.

Waldir Maranhão é o presidente interino da Câmara. Cunha se referiu ao seu mandato como "interinidade bizarra", que deixou a Casa "acéfala", e que ele está renunciando pois apenas isso acabaria com a "instabilidade sem prazo".

A renúncia de Cunha já estava sendo motivo de especulação há algumas semanas. Hoje, entretanto, os boatos de que ele iria renunciar fez os deputados começarem a se movimentar para eleger um candidato à eleição.

Publicidade

O nome de preferência de Cunha é o deputado Rogério Rosso, do PSD-DF, mas há ao menos outros 12 candidatos informais interessados no cargo.

Cunha decidiu deixar o cargo de presidente da Casa em reunião ontem (06) de noite, após Ronaldo Fonseca, do Pros-DF, divulgar seu voto na Comissão de Constituição e Justiça. Ele atendeu apenas um dos dezesseis questionamentos do ex-presidente da Casa sobre a tramitação no Conselho de Ética sobre sua cassação. Até agora, ele havia repetido diversas vezes que não renunciaria de forma alguma.

O processo contra Cunha foi o mais longo da história no Conselho de Ética; durou mais de 8 meses.