O ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva, realmente não quer nem imaginar a possibilidade de ficar 'cara a cara' com o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Lava Jato em que apura o maior escândalo de corrupção do país, haja vista, a nova estratégia da defesa do ex-presidente em recorrer novamente ao Supremo Tribunal Federal (STF), com a expectativa de declinarem a competência de Moro nos inquéritos que vinculam o petista.

Segundo a defesa de Lula, o juiz não tem capacidade de discernimento com relação à imparcialidade, ou seja, o juiz tende à parcialidade prejudicando assim o seu cliente, fato notório na 24ª fase da Operação em que o ex-presidente passou por enormes constrangimentos ao ser conduzido coercivamente a um local restrito, sendo liberado logo a colheita do depoimento pessoal.

Publicidade
Publicidade

Entenda as alegações da defesa

Em termos técnicos, os advogados de Lula exigem através de requerimento o afastamento do juiz federal Sérgio Moro dos processos ligados ao ex-presidente. Um dos pedidos elencados sugere que Moro declare a sua suspeição (quando há dúvida da imparcialidade, pode ser declarada de ofício pelo juiz) para conduzir o caso 'Lula'.

Segundo informações do jornal "O Globo", caso Moro não atenda ao pedido, "será encaminhado para o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, para futura análise. Com relação ao  processo em que foram divulgados dizeres de parlamentares com prerrogativa de foro, que outrora foi despachado pelo Ministro Teori Zavascki para a competência do juiz Sérgio Moro, também já está sendo sinalizado por intermédio de petição que retorne ao STF, afirmou a defesa ao jornal.

Publicidade

O editorial ainda ressaltou que “o pré julgamento realizado por Moro é indevido e incompatível com a realidade dos fatos”, declararam os advogados Roberto Teixeira, Cristiano Zanin Martins e José Roberto Batochio, apesar dos mesmos defensores sobressaírem argumentando que o ex-presidente “não teme ser investigado nem julgado por qualquer juiz: quer justiça e um julgamento imparcial, simplesmente”, também elucidaram que a única coisa que exigem é o respaldo do "Estado Democrático de Direito e dos valores a ele inerentes, como o direito ao juiz natural e imparcial e à presunção de inocência", elucidou a reportagem.

Acusação

Lula vem sendo acusado de participar do maior esquema de corrupção dentro da Petrobras, investigados pela operação Lava Jato. Os indícios iniciaram quando os integrantes do seu próprio partido, o #PT (Partido dos Trabalhadores), resolveram colaborar com a Justiça, delatando todos os envolvidos, inclusive o ex-presidente Lula. Além disso, revelaram os meios pelos quais eram negociados os ilícitos.

Publicidade

Ainda no mesmo contexto, todos os que acolheram a delação premiada também concordaram com a devolução de valores conforme estipula os requisitos necessários para contemplação do benefício.

Lembrando que o petista também vem sendo acusado de omitir a posse de um sítio em Atibaia e um apartamento tríplex no litoral paulista. O processo das propriedades tramita sob a competência da Comarca de São Paulo.

 

  #Lava Jato