O prazo para a entrega da defesa da presidente afastada #Dilma Rousseff terminaria nessa quarta-feira, dia 27 de julho de 2016, porém, seus advogados pediram a prorrogação do prazo. Essa data indica o fim do prazo de 15 dias que Dilma teve para apresentar as suas alegações finais e, diferente do que se esperava, ao invés da entrega ser antecipada, foi solicitada uma prorrogação.

O que motivou esse pedido de extensão do prazo foi o fato de os serviços do Senado na internet terem ficado suspensos, impossibilitando o acesso aos dados do processo, já que estariam armazenados no site.

Ao entrar com o pedido, os advogados solicitaram uma prorrogação de 48 horas, mas Raimundo Lira, presidente da Comissão Especial do #Impeachment no Senado, concedeu metade do que foi solicitado, 24 horas apenas.

Publicidade
Publicidade

Como argumento para justificar o prazo, Lira afirmou que a indisponibilidade do serviço foi resultante de uma manutenção programada e que essa havia sido informada com antecedência. Ele afirmou ainda que os arquivos podem ser baixados para o computador para serem consultados a qualquer momento, sem a necessidade do acesso a página.

O prazo final para a entrega da defesa ficou para o dia 28 de julho, quinta-feira, até o final do expediente, para que possa ser dado andamento ao processo. Apesar dessa prorrogação na entrega da defesa, as demais datas do impeachment permanecem inalteradas.

Cronograma do impeachment continua

Após a entrega da defesa, o calendário do processo deve seguir normalmente, com prazo previsto para encerramento no final de agosto. As próximas etapas incluem a elaboração do parecer do relator, leitura do parecer na comissão, discussão e votação do parecer ainda na comissão, leitura, discussão e votação do parecer em plenário.

Publicidade

A última etapa deve ocorrer entre os dias 24 e 26 de agosto, com o agendamento feito por Ricardo Lewandowski, presidente do STF, para que aconteça a votação do julgamento final.

Após isso, haverá a decisão se Dilma permanece como Presidente da República ou se Michel Temer deixa o cargo de presidente interino para oficialmente se tornar Presidente. #Governo