O #Governo de São Paulo sempre se vendeu com uma imagem de eficiência e honestidade, deixando-se transparecer como um oásis em meio ao deserto de boas gestões e a abundância de #Corrupção que toma conta do Brasil.

No entanto, fica a cada dia mais difícil os políticos e simpatizantes tucanos defenderem essa ideia. São vários casos de acusações de conduta corrupta por parte de agentes do governo e um dos mais conhecidos dos últimos anos tem sido chamado de “trensalão”.

No caso, as companhias do Metrô e CPTM seriam usadas como meios para que se lavasse dinheiro e pagasse propinas que seriam usadas tanto para o abastecimento de “caixa dois” para campanhas políticas, quanto para enriquecimentos ilícitos – esse meio também ganhou um apelido e costuma ser chamado de “propinoduto tucano".

Publicidade
Publicidade

CPTM

Os trilhos parecem ter esquentado para o atual governo paulista. O próprio Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE) coloca sob suspeita os contratos da CPTM, resultado de irregularidades nas licitações, em que teria ocorrido cartel entre as empresas participantes.

Metrô

Já com relação ao metrô, o Ministério Público do Estado (MPSP) denunciou comandantes e ex-comandantes da companhia. As suspeitas de irregularidades em licitações permanecem, e os promotores do caso acusam o governo estadual de praticar improbidade administrativa, isso é, não tratar a coisa pública e as leis que a regem com o devido zelo.

Segundo o MPSP, foram adquiridos 26 trens, com seis vagões cada um, que serviriam a Linha 5 – Lilás. Contudo, a entrega dessa linha encontra-se em atraso, tendo sua entrega final sido adiada várias vezes, o que fez com que os trens ficassem parados em pátios desde sua entrega, em 2013.

Publicidade

Não é difícil imaginar que a tecnologia dessas composições, quando entrarem em uso, estará defasada. Além disso, o MPSP argumenta que para entrarem em ação esses vagões que nunca foram usados deverão passar por uma manutenção, onerando mais e desnecessariamente os cofres públicos. Um outro aspecto muito contestado é o fato de os trens comprados terem bitola diferente da usada na Linha Lilás e nas outras linhas do Metrô, o que irá requerer adaptação para uso.

Gestão ruim

A ocorrência ou não de corrupção e irregularidades dolosas nas licitações e contratos serão investigadas pelas autoridades competentes, mas o que fica evidente nessas questões é que a eficiência, a eficácia e a inteligência na gestão pública paulista andam em baixa e desvalorizadas pelos sucessivos governos tucanos, desde Mario Covas. Assim, seria interessante o governo estadual investir na qualificação e valorização de seus quadros, aproveitando também o que apresenta de melhor; por outro lado, a população deve cobrar por isso, pois é ela quem paga essa estrutura e quer receber serviços públicos melhores e de alta qualidade, e que ainda tenham baixos custos, acessíveis a todos. #Dentro da política