O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, solicitou ajuda federal e do Exército para acalmar a já chamada pelos moradores de "guerra civil" orquestrada por bandidos no estado. Na sexta-feira, 29, começaram graves ataques a prédios públicos e pontos de ônibus em todo o estado. De acordo com informações do G1, pelo menos 48 ataques foram feitos em vinte cidades do estado. Em uma publicação feita na internet, o governador disse que pediu que as tropas do Exército fossem se unir aos policiais do estado. 

Ele disse que solicitou o apoio e que está conversando diretamente com o Ministério da Casa Civil, que hoje tem o nome de Eliseu Padilha à frente.

Publicidade
Publicidade

 Quem também ajuda politicamente e também com aparato de segurança necessário é o Ministro Alexandre de Moraes, que chefia a Justiça, além do Ministro da Defesa, Raul Jungman. Outra entidade que apoia o estado nesse momento é a Polícia Federal. A situação do estado piora um pouco já que todas as atenções federais estão no Rio de Janeiro por conta da Olimpíada. O governador disse ainda que toda a atenção será dada ao Rio Grande do Norte até que o estado retorne à usa normalidade.  

"Estou no aguardo da liberação das tropas pela presidência da República", escreveu no Facebook o governador. A revolta nas ruas começou depois que a Justiça decidiu usar bloqueadores de celular na Penitenciária Estadual de Parnamirim, que fica na capital. Até o momento, pelo menos 50 pessoas foram presas acusadas de participarem das facções criminosas que botaram o terror na região.

Publicidade

Além disso, pelo menos 37 veículos, tendo carros e ônibus, acabaram sendo depredados e com fogo. Postos policiais e os próprios agentes policiais foram atacados pelos presos. Há ainda muitos suspeitos soltos pelas ruas da cidade. 

Até o fechamento da reportagem, o #Governo federal ainda não havia confirmado o envio das tropas ao Rio Grande do Norte. Nas redes sociais, os moradores da região fazem um apelo às forças de seguranças. "Nos ajude", escreveu uma dona de casa no Facebook.  #Crime #Michel Temer