A situação política no Brasil é uma das mais instáveis que o país já viveu nos últimos 25 anos de sua trajetória política. Após a votação do impeachment, que resultou no afastamento da presidente #Dilma Rousseff (PT), diversas denúncias contra os apoiadores do afastamento surgiram na imprensa brasileira. Em uma ação coordenada que envolveu o poder judiciário, a população e autoridades, Dilma foi afastada da presidência e deverá ser julgada no início de agosto. 

Diretor da Fiesp deve 6,9 bilhões de reais

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) foi umas das instituições que mais apoiou o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Publicidade
Publicidade

A instituição, que conta com sede no coração de São Paulo, na Avenida Paulista, chegou a confeccionar um pato amarelo gigante que fora utilizado para fazer propaganda a favor do impeachment com o seguinte bordão: "Chega de pagar o pato", uma ilustração á indignação do povo brasileiro diante das atividades ilícitas e de corrupção que acontecem em praticamente todas as esferas do poder público. Com o pato gigante e com essa frase, o diretor da Fiesp financiou campanhas e publicidade em diversos veículos de comunicação, inclusive a Folha de São Paulo.

O que poucos brasileiros sabem é que um dos diretores da Fiesp é o maior 'caloteiro do Brasil. O empresário deve quase 7 bilhões de reais para a União e será julgado em segunda instância em Brasília. Essa falta de arrecadação poderia, inclusive, diminuir o rombo nas contas públicas de 2016.

Publicidade

E não para por aí, são várias pessoas que devem milhões de reais para o governo em recente lista divulgada pela Folha de São Paulo. As dívidas dessas pessoas somadas chegam ao valor de um trilhão, cinco vezes maior que a dívida do Brasil para o ano de 2016. Muitas dessas pessoas, assim como os diretores da Fiesp, pediram a saída de Dilma. Uma atitude atípica de alguém que, vestido de verde e amarelo, dizia lutar pelo combate à #Corrupção. Devendo quase sete bilhões para o governo, o diretor da Fiesp ganhou o título de maior 'caloteiro' no Brasil.