Representante do movimento LGBT na política, o deputado federal Jean Wyllys causou polêmica com religiosos na noite desta quinta-feira, 28 . O representante do PSOL carioca esteve em um evento no Recife para falar sobre o 'Estatuto da Família'. Ele não concorda com o projeto de lei que diz que uma família é apenas a formada entre homem e mulher. O projeto proposto pelo pernambucano Anderson Ferreira foi aceito na época em que Eduardo Cunha (PMDB - RJ) era presidente da Câmara. Durante seu discurso no Recife, Jean disse que "Nem mesmo a Sagrada Família era tradicional", fazendo um referência aos personagens bíblicos José, Maria e Jesus Cristo. 

O parlamentar diz que de acordo com a bíblia, "Jesus não é filho de José", já que Maria teria concebido o salvador através do espírito santo, sendo até então imaculada.

Publicidade
Publicidade

De acordo com Jean, Jesus é filho do Espírito Santo e não de José. Ele diz que o carpinteiro então criou a criança como se fosse dele, mas que não necessariamente era o seu pai. Wyllys então argumentou que até mesmo a bíblia então seria contra o projeto de lei do deputado pernambucano. 

Para o político do PSOL, as famílias são diversas e que até mesmo a bíblia já demonstrava isso há mais de dois mil anos, mas que agora muita gente acaba tentando tentando desvirtuar os ensinamentos do livro sagrado. A fala de Jean rapidamente foi respondida nas redes sociais, especialmente por grupos religiosos e de direita. Memes com a fala do deputado rapidamente foram compartilhados em grupos como de Jair Bolsonaro, eleito pelo PSC do Rio de Janeiro.

Discussão polêmica no parlamento

No dia 17 de abril, Jean teve o seu momento mais polêmico do ano até agora e um dos mais marcantes de sua carreira como parlamentar.

Publicidade

Após votar contra o prosseguimento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, ao sair do local onde estava o microfone na Câmara, ele teve um desentendimento com Bolsonaro e o cuspiu. Jean alega que o político fez piadas homofóbicas contra ele. Bolsonaro nega as informações. #Governo #LGBT