O jornal O Globo desse sábado, 30, informou que após muitas semanas de indecisão, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo #Lewandowski, e o presidente do Senado Federal, Renan Calheiros, chegaram a um acordo sobre a data do julgamento final do processo de #Impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff.

Segundo a publicação, o julgamento de Dilma durará cinco dias, com data de início prevista para dia 29 de agosto e término em 2 de setembro. O jornal informou que a data teria sido confirmada pela assessoria do Supremo Tribunal Federal.

Se Dilma sofrer o impeachment, Michel Temer participará de seu primeiro evento internacional como presidente do Brasil já no dia 6 de setembro, quando ocorrerá uma importante reunião com os representantes do G-20, na China.

Publicidade
Publicidade

Cronograma do Impeachment

A partir de agora, o próximo passo do impeachment será a apresentação e discussão do parecer final da Comissão Especial e a votação do mesmo, que ocorrerá no dia 4 de agosto. Já no dia 9 do mesmo mês, ocorre a votação com o plenário do Senado, evento que deve demorar mais de 20 horas, proferindo o resultado apenas na manhã do dia 10 de agosto.

Se aprovado por maioria simples no Senado, a acusação tem 48 horas para apresentar uma petição com todas as acusações e provas recolhidas no processo. Após a apresentação desse documento obrigatório, a defesa tem mais 48 horas para se manifestar sobre as acusações. Tanto a defesa, quanto a acusação, precisam apresentar uma lista de testemunhas que deve ser entregue nessas 48 horas. O número de testemunhas ainda não foi definido.

Publicidade

Renan Calheiros receberá todos esses documentos e rol de testemunhas e agendará o julgamento. A sessão do julgamento final de #Dilma Rousseff, será presidida por Ricardo Lewandowski, que representará o órgão judiciário máximo do país. Se o impeachment de Dilma Rousseff se consumar, Lewandowski será o responsável por lavrar a decisão para publicação no Diário Oficial da União. Esse será o último grande evento político que Lewandowski participará na condição de presidente do Supremo, pois a ministra Cármem Lúcia assumirá o seu posto no dia 14 de setembro.