Nesta segunda, 1º de agosto, o ex-presidente #Lula estará em #Fortaleza onde participa da convenção do PT para a escolha dos candidatos a prefeito e a vereador pelo partido. A notícia foi confirmada pela ex-prefeita da cidade, #Luizianne, por meio de sua página no Facebook.

Na semana passada informações deram conta de que as divergências entre Luizianne e o governador Camilo Santana, ambos do PT, manteriam o ex-presidente afastado da campanha na capital. Entretanto, segundo o jornal O Estado, o partido decidiu não exigir apoio do governador. Camilo e Luizianne não se entendem politicamente: ele firmou posição de que o seu partido deveria apoiar a eleição de Roberto Claudio (PDT).

Publicidade
Publicidade

Em 2014 Luizianne também não o apoiou para a candidatura ao Governo do Ceará. Resolvido o impasse, Lula poderá participar da convenção de Luizianne. Camilo, entretanto, não irá, assim como provavelmente não participará da convenção do PDT de Roberto Claudio, no próximo dia 4. 

O PT lança-se a esta campanha só, sem coligações, numa chapa pura. O nome do vice de Luizianne ainda não foi escolhido e deve ser do próprio partido. Com o tema "Reencantar Fortaleza", o grupo político da "Lôra" deverá lançar-se com um discurso de que a gestão atual retrocedeu nas políticas e de que é preciso resgatar a "Fortaleza Bela". O enfoque deverá ser as ações de seus oito anos à frente da Prefeitura (2005-2012).

Em uma disputa acirrada, Luizianne enfrentará campanhas de peso: além do atual prefeito Roberto Claudio (PDT), com um leque de partidos de apoio e a densidade política do ex-governador Ciro Gomes, também estão no páreo o Capitão Wagner (PR), com as bênçãos do PMDB de Eunício e do PSDB de Taso, e Heitor Férrer (PSB), que também deve fazer uma campanha de peso.

Publicidade

Sem coligações e com pouco tempo de TV, Luizianne deve focar na campanha corpo-a-corpo, contando com o apoio da militância e de quadros do PT nacional e estadual. A força que demonstrar no início da campanha será o termômetro indicador de sua ida ou não para o segundo turno. Será uma boa oportunidade também para o ex-presidente Lula mostrar sua capacidade de articulação, num momento em que já é cotado a um novo pleito presidencial em 2018.