Em entrevista concedida à Rádio Jornal de Pernambuco nesta terça, Luís Inácio #Lula da Silva voltou a cogitar a possibilidade de concorrer à presidência da República nas eleições de 2018. Segundo a figura mais representativa da história do PT (Partido dos Trabalhadores), a sua decisão será totalmente baseada em como estará o país na ocasião.

"Só não serei candidato se o Brasil der certo”, declarou o político que já esteve no Palácio do Planalto, em Brasília, por dois mandatos (2002-2006 e 2006-2010).

Lula é um dos investigados na Lava Jato, operação deflagrada pela Polícia Federal para apurar a #Corrupção na Petrobras. Questionado, ele aprovou essa iniciativa, mas acredita haver um exagero por parte das autoridades, lembrando, inclusive, de quando tirado de sua casa (condução coercitiva) para depor.

Publicidade
Publicidade

Lembrou que, durante os seus governos, houve um fortalecimento dos órgãos de segurança e o Ministério Público. Para finalizar, ironizou as recentes denúncias quanto a seus filhos. "Dizem que meu filho é dono da Friboi, da Casa Branca, da Torre Eifel…”, declarou o petista.

Outro ponto abordado foi a atual crise econômica que assola o Brasil. Para Lula, isso está acontecendo por culpa de Dilma Rousseff, que teria sido eleita usando um discurso, mas teria adotado uma postura totalmente diferente. "As pessoas perderam o sonho", declarou o político.

Por decisão do Senado Federal e da Câmara dos Deputados, houve a abertura de um processo de impeachment por supostas irregularidades nas contas públicas e, por conta disso, Dilma se encontra afastada da presidência da República. À Rádio Jornal, Lula disse que tentou ser solidário naquele momento.

Publicidade

"Eu disse a ela: ´Você pode ter cometido todos os erros do mundo, mas não o crime pelo qual está sendo acusada. Eles estão cometendo um crime contra você´”, ressaltou o ex-presidente, lembrando que existe a possibilidade de o Congresso Nacional reverter o quadro atual e a cadeira máxima da política brasileira, atualmente ocupada, de maneira interina, por Michel Temer, voltar a ter Dilma Rousseff. #Dentro da política