Um dia depois de assumir oficialmente a presidência da #Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) estabeleceu uma das suas prioridades para o mandato que vai até fevereiro de 2017: o diálogo permanente com o Senado Federal. Já nesta quinta-feira, Maia teve reuniões com o presidente interino Michel Temer, com o presidente do Senado, Renan Caralhos, com o ministro das Relações Exteriores, José Serra, e o senador Aécio Neves.

O discurso de aproximação com o Senado é um reflexo contrário ao que vinha sendo exercido pelo ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que renunciou na semana passada. Cunha, no exercício do seu antigo cargo, protagonizou alguns embates contra Renan Calheiros.

Publicidade
Publicidade

Ele também não aceitava o fato de ter virado réu na Operação Lava Jato, enquanto Renan era investigado apenas em inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF).

“Eu vou procurar trabalhar em conjunto com o senador Renan Calheiros, junto com os meus colegas deputados e junto com os demais senadores. Vamos trabalhar unidos para estabelecermos pautas que possam ajudar o Brasil a sair da crise. É imprescindível que a Câmara e o Senado voltem a dialogar em harmonia, algo que deixou de acontecer há muito tempo”, salientou Maia.

Na mesma linha, Maia defendeu que as duas Casas devem se unir para discutir propostas para recuperar a economia. Ele ainda citou a reforma política como “urgente”, mesmo que fora da agenda econômica.

“Mesmo fora do âmbito econômico, a reforma política é uma reforma urgente.

Publicidade

Uma agenda fundamental que permitirá mudanças mais profundas”, destacou.

Rodrigo Maia tem 46 anos e é filho do ex-prefeito do Rio de Janeiro César Maia. Na última quarta-feira, ele venceu em segundo turno as eleições presidenciais da Câmara por 258 votos a 170 de Rogério Rosso (PSD-DF). #Congresso Nacional