Na última sexta-feira (15), o presidente interino #Michel Temer concedeu uma entrevista exclusiva ao canal Globonews e deu uma declaração polêmica e contraditória sobre a possibilidade de o país enfrentar ameaças terroristas durante a realização dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Para Temer, o Brasil está “preparadíssimo” para enfrentar o terrorismo que assola países de primeiro mundo como França e Estados Unidos. Ele também falou sobre outros assuntos, como Operação Lava Jato, reforma ministerial e aumento de impostos.

Confira alguns trechos da entrevista de Michel Temer a Globonews.

Terrorismo

Apesar da confiança do presidente interino nas forças de segurança brasileiras, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, se reuniu com Temer na semana passada.

Publicidade
Publicidade

Nessa reunião, feita logo após o ato terrorista ocorrido em Nice, na França, novas medidas, para reforçar a segurança dos jogos foram anunciadas. Ficou decidido através de um decreto, um aumento de 150%, o valor pago diariamente aos servidores públicos que forem chamados para trabalhar no período de realização dos jogos. Entre os beneficiados com os aumentos estão os agentes da Força Nacional que trabalharem no período de 24 de julho a 22 de agosto.

Temer também autorizou a convocação de Policiais Militares inativos que terão a oportunidade de voltar à ativa no período de realização das Olimpíadas.

Aumento de Impostos

Perguntado sobre a possibilidade de aumento de impostos nos próximos meses, Temer foi enfático e disse que essa hipótese é “distante”. Por enquanto, a palavra de ordem é vender ativos e cortar gastos da União.

Publicidade

 

Operação Lava Jato

Sobre a maior operação de combate à corrupção já feita no país, Temer afirmou que a chance dos desdobramentos das investigações atrapalharem o andamento de seu #Governo, é "zero".

“Cada poder exerce suas competências, ninguém é capaz de paralisar o governo porque existe um processo judicial em andamento”.

Reforma ministerial

Em relação a uma possível reforma ministerial, Temer declarou que não existe essa intenção. Mas garantiu que após a conclusão do processo de impeachment, caso continue na presidência, vai examinar com mais cuidado essa possibilidade.

  #Rio2016