De um lado, os que acreditam em golpe e ruptura no exercício da democracia. Do outro, os defensores da Constituição Federal e convictos no crime de responsabilidade de Dilma Rousseff. No meio dessa divisão política e da contrariedade de opinião, o então vice-presidente Michel Temer assumiu na segunda semana de maio a presidência da República – logo após o processo de #Impeachment da petista ter sido aceito no Senado Federal.

Sem ter passado diretamente pelo voto popular, Michel Temer não conta com total prestígio dos brasileiros. Sua primeira aparição pública de maior repercussão será na próxima sexta-feira, dia 5, quando ele cumprirá as formalidades de chefe de estado do país que sedia os Jogos Olímpicos de 2016.

Publicidade
Publicidade

A abertura oficial será no Maracanã, no Rio de Janeiro.

Temer mantém os pés no chão e sabe que sua aparição deverá ser motivo de vaias pelo público presente. Mas nem isso é capaz de alterar o seu bom humor. Em entrevista ao Grupo RBS, do Rio Grande do Sul, nesta sexta-feira, 29, ele admitiu que pode ser vaiado e até brincou ao citar o lendário escritor Nelson Rodrigues.

“Como já dizia o saudoso Nelson Rodrigues, no Maracanã se vaia até o minuto de silêncio. Então, estou sim preparadíssimo para eventuais vaias. Não tenho a menor dúvida disso. Eu tenho o dever e vou cumprir essa missão institucional. Fiquei sabendo que os ex-presidentes não vão, então a brincadeira do momento é que reservarão as vaias apenas para mim”, disse o bem-humorado presidente Michel Temer.

No evento, Temer deverá realizar um discurso breve e protocolar na abertura dos Jogos Olímpicos.

Publicidade

Ele acredita, ao mesmo tempo, que o fato de tramitar no Senado Federal um processo de impedimento contra a presidente eleita não arranhará a imagem das #Olimpíadas. Os jogos irão do dia 5 ao dia 21 de agosto, no Rio de Janeiro.

Dilma não vai

Por meio de suas redes sociais, Dilma Rousseff anunciou na semana passada que não estará presente na abertura das Olimpíadas na próxima sexta-feira. Em conversa com internautas, ela ressaltou que “tudo que eu gostaria era estar presente”, mas que não estará por conta do “governo ilegítimo”.

“O governo ilegítimo, interino e provisório, que sequer contribuiu para a realização dos Jogos Olímpicos, foi convidado e estará participando da cerimônia ao lado do Comitê Olímpico Internacional (COI) e Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Dessa forma, eu não vejo motivo para estar presente, e digo isso com tristeza”, frisou Dilma.

Por outro lado, Dilma ressaltou que estará acompanhando os Jogos como mais um entre os tantos torcedores brasileiros e que deixará o “coração na mão” pelos atletas brasileiros.

Publicidade

De acordo com a presidente afastada, as Olimpíadas deixarão dois legados importantes para o Brasil em duas áreas: infraestrutura e esporte.

Na área política, contudo, Dilma voltará a viver a partir da próxima semana momentos decisivos. De acordo com o cronograma do rito do impeachment, o senador relator da Comissão Especial no Senado Federal, Antonio Anastasia (PSDB-MG), tem até segunda-feira (1°) para elaborar o parecer sobre a matéria. Na quinta-feira (4), ocorre a votação do relatório na comissão. Só na outra terça-feira, dia 9, inicia em plenário a discussão e a votação do processo de impeachment, que, se aprovado, levará à presidente ao julgamento final, previsto apenas para o final de agosto. #Rio2016