Nessa quarta-feira (13), o presidente interino do Brasil, Michel Temer, postou nas redes sociais um vídeo voltado aos beneficiários do Programa Bolsa Família. #Michel Temer fez questão de se apresentar ao público ao qual o vídeo é destinado. “Eu sou Michel Temer, e estou falando do Palácio do Planalto, onde exerço a presidência da República”. O vídeo é mais uma tentativa do peemedebista de baixar a bandeira levantada pela presidente afastada, Dilma Rousseff, de que o seu #Governo irá exterminar todos os programas sociais criados durante os governo Dilma e Lula.

No decorrer da gravação, Temer explica detalhadamente o reajuste de 12,5% concedido em seu governo e que começará a vigorar a partir desse mês.

Publicidade
Publicidade

Ele relata que o aumento não foi dado por acaso, que o reajuste demonstra a preocupação do Governo Federal com as famílias carentes brasileiras.

“Você que basicamente vive do Bolsa Família deve ter essa notícia”.

Temer explica que reajuste foi de quase 20 reais

O reajuste, que somente foi divulgado em percentual, se transformou em valor real no discurso do presidente interino. Ele diz que o reajuste chegou a quase 20 reais, e ressalta que há mais de dois anos o Programa Bolsa Família não recebe um reajuste.

Ele relata que o seu governo não vai parar por aí, e que está trabalhando para gerar empregos e acabar com a atual situação transitória, ao qual ele considera que os beneficiários do programa estão passando, pois Temer acredita que as pessoas que recebem o benefício não irão receber pelo resto de suas vidas e que num dado momento elas arranjarão emprego e não mais precisarão contar com o auxílio concedido pelo governo através do Programa.

Publicidade

“Estamos trabalhando e temos certeza que num dado momento, se Deus quiser, o Brasil terá emprego para todos”.

O reajuste concedido por Temer terá um impacto de R$ 2,1 bilhões nas contas anuais do governo, sendo que, atualmente, o Bolsa Família conta com 14 milhões de beneficiários. O aumento de Michel Temer é 3,5% maior que o aumento anunciado no dia 1º de maio pela presidente afastada Dilma Rousseff. #Crise no Brasil