Uma declaração do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, ao jornal Folha de São Paulo poderá agitar ainda mais a grande discussão que gira em torno da reforma da Previdência. Padilha afirmou que o presidente interino #Michel Temer pediu a ele que estude uma forma para que seja implantado um regime único para previdência, com regras uniformes tanto para trabalhadores do setor privado quanto para trabalhadores do funcionalismo público.

O pedido de Temer não foi feito à toa, Padilha é o ministro responsável, juntamente com uma equipe, para tocar um projeto de reforma da previdência para ser apresentado ao #Congresso Nacional.

Publicidade
Publicidade

Temer considera essencial que seja feita uma reforma na previdência para conter o rombo e para equilibrar o orçamento.

Em 2015, um estudo sobre o rombo da previdência foi feito e apontou que pagamentos de pensões e aposentadorias para militares foram responsáveis por 45% do rombo da previdência.

Atualmente, a previdência mantém um conjunto de regras específicas para cada setor, inclusive militares e trabalhadores rurais têm um conjunto de normas específicas que devem ser respeitadas para que se tenha direito a aposentadoria.

Regime único traria profunda mudança na legislação e controvérsia no Congresso

Eliseu Padilha afirmou que ainda não há um consenso sobre o projeto que será apresentado ao Congresso. O fato é que se realmente for proposto um regime único para aposentadoria, diversos segmentos irão se manifestar e uma grande controvérsia será estabelecida no Congresso.

Publicidade

Além da polêmica que gira em torno do assunto, mudanças profundas na legislação previdenciária terão que ser feitas para que haja uma unificação nas leis.

Mas o polêmico tema já vem sido debatido, no mês passado, numa reunião de Temer com governadores, houve um consenso entre os governadores para que fosse decretado o fim dos regimes de aposentadoria especiais para servidores, professores e policiais.

O regime único da previdência também já foi pauta no governo Dilma Rousseff em fevereiro de 2015, porém com a petista, o debate não vingou. #PrevidenciaSocial