O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação #Lava Jato, defendeu no Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quarta-feira (13), que todos os processos de #Lula continuem sendo investigados no Estado do Paraná, respeitando assim a decisão do ministro do STF Teori Zavascki, que autorizou as investigações na primeira instância da Justiça Federal em Curitiba.

Tudo começou quando os advogados do ex-presidente Lula enviaram ao presidente do Supremo Ricardo Lewandowski uma liminar pedindo que as investigações do ex-presidente voltassem para o STF, pois vários parlamentares envolvidos nos diálogos com Lula tem foro privilegiado.

Publicidade
Publicidade

Diante disso Lewandowski decidiu que Moro desse explicações sobre este fato, e a resposta veio nesta quarta.

Moro comentou que está cumprindo apenas determinações do ministro Teori Zavacki e que os áudios do diálogo entre a presidente afastada Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula já foram retirados dos processos, conforme Teori ordenou. O restante das investigações estão sendo feitas com responsabilidade e rigidez, ressalta Moro, e por isso não há motivos para remeter o processo novamente para a Corte Suprema.

Lula

Lula é investigado por irregularidades na compra de um apartamento em Guarujá, Estado de São Paulo e por reformas num sítio frequentado pela família do ex-presidente em Atibaia. Essas reformas podem ter sido realizadas com dinheiro público desviado.

Sérgio Moro disse que respeita as decisões do Supremo e que as investigações envolvendo os áudios gravados dos parlamentares com foro privilegiado, não serão utilizados sem que a Corte autorize.

Publicidade

Teori Zavascki

Os processos contra Luiz Inácio Lula da Silva foram remetidas para o juiz Sérgio Moro através de decisão do ministro do STF Teori Zavaski. O ministro retirou do processo uma gravação entre Dilma e Lula, ocorrida durante a Lava Jato, porque a gravação foi feita pela Polícia Federal depois que Moro suspendeu o monitoramento e as conversas não poderiam ser divulgadas, pois a presidente Dilma possui foro privilegiado. #Corrupção