Durante um evento realizado nessa sexta-feira (16), na sede da AMB (Associação Médica Brasileira), em São Paulo, o ministro da #Saúde, Ricardo Barros deu uma declaração polêmica e que está causando revolta em usuários do SUS (Sistema Único de Saúde). Barros declarou que a maioria dos pacientes que procuram algum tipo de atendimento nas unidades básicas de saúde da rede pública espalhadas pelo Brasil, “imagina estar doente”, mas verdadeiramente não estão.

O ministro tentou argumentar e justificar a sua declaração durante o evento, dizendo que já faz parte da “cultura do brasileiro” dizer que foi bem atendido pelo médico, somente quando este lhe prescreve algum medicamento ou faz encaminhamento para realizar exames médicos.

Publicidade
Publicidade

O ministro ainda foi mais longe em sua teoria e afirmou que este “hábito do brasileiro” estaria fazendo o SUS sofrer gastos desnecessários. Para ele, a grande maioria dos usuários do SUS, chegam à unidade de atendimento sofrendo de efeitos psicossomáticos.

Barros ainda se apoiou em estatísticas e afirmou que metade dos exames laboratoriais realizados pelo Sistema Único de Saúde não são retirados por aqueles que solicitaram os exames. E, para reforçar a sua tese, ele afirmou que 80% dos exames realizados pelo SUS dão resultado negativo, ou seja, os pacientes que alegavam estar com algum tipo de doença, na realidade, não estavam e acabam fazendo exames sem nenhuma necessidade.

Ministro afirmou que o SUS não tem dinheiro para exames desnecessários

Ricardo Barros também defendeu, em seu discurso, que o comportamento dos médicos deve ser diferente em relação aos pacientes.

Publicidade

Para ele, os médicos das unidades básicas de saúde, devem combater esse pensamento obrigatório de realização de exames sem necessidade.

“O SUS não tem dinheiro para ficar aí fazendo exames que não são necessários somente para satisfazer pessoas, e para que elas achem que foram bem atendidas do postinho de saúde”.

Segundo informações do jornal O Estado de São Paulo, alguns representantes de entidades médicas que estavam no local discordaram do posicionamento do ministro. Os representantes afirmaram que, de maneira geral, a maioria dos exames realizados pelo SUS dão resultado normal devido ao fato de que os pacientes não são bem examinados, não são bem interrogados pelos médicos, e, por consequência, acontece a solicitação de exames errados, que em nada tem a ver com a doença real do paciente e, por esse motivo, a maioria dos exames dá resultado normal.

  #Governo #sistema de saúde