Um dos motivos pelos quais o governo do presidente interino #Michel Temer assumiu o poder no Planalto Central foi a alegação de que deveria combater a #Corrupção e o jogo de interesses que o Partido dos Trabalhadores impôs no país, principalmente com as descobertas de inúmeras falcatruas de políticos e empresários através da Operação Lava Jato, muito embora, o nome da presidente afastada, #Dilma Rousseff, não tenha sido caracterizado com o achado de nenhuma prova concreta correlacionando Dilma aos escândalos políticos e econômicos do Brasil nos últimos tempos. 

Por outro lado, Michel Temer havia assegurado de que não faria nenhuma indicação de políticos que não tivessem conhecimento técnico comprovado para ocupar cargos específicos que assim exigissem esse tipo de formação específica, mas o próprio Temer se contradisse ao indicar Alexandre Pereira, deputado estadual pelo Solidariedade para ser o superintendente regional do INCRA - Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária do estado de São Paulo. 

Vale destacar que, embora Pereira não tenha nenhuma formação técnica ou relação direta com atividades agrícolas que o homologuem para preencher nenhum cargo de gestor no INCRA, muito menos de superintendente (o mesmo é só político), ele é filho de outro deputado muito ligado ao novo governo interino, que é Paulinho da Força Sindical. 

Outra promessa não seguida a risca pelo próprio Temer diz respeito ao enxugamento da máquina administrativa que auxilia no controle de órgãos, autarquias e outras instituições do governo.

Publicidade
Publicidade

Alguém poderia questionar afirmando que Temer extinguiu o Ministério do Desenvolvimento Agrário, mas a pergunta que fica é por que o mesmo Temer criou uma Secretária Especial, que passa a ser administrada pelo deputado Paulinho da Força? 

A Secretária em questão tem por função atuar junto aos assuntos da reforma agrária e de agricultura familiar. “Coincidentemente”, o mesmo segmento em que atuará o filho de Paulinho, Alexandre Pereira, enquanto superintendente do INCRA. 

A nomeação Alexandre Pereira da Silva para o INCRA ocorreu no dia 4 de junho pelo governo de Temer, contrariando diametralmente as palavras do presidente interino, o qual disse em certa ocasião que não daria margem de atuação em cargos técnicos para pessoas que não possuíssem formação detalhada para atuar nessas posições. 

O ex-presidente Lula, em entrevista veiculada pela revista alemã Der Spiegel (O Espelho), alertou sobre a estratégia utilizada por Temer, que é trocar as chefias dos postos vitais no país como o que aconteceu no caso da direção do INCRA, uma vez que desde que Temer se tornou o presidente interino, o partido ao qual pertence Paulinho influencia diretamente os assuntos relacionados a reforma agrária e agricultura familiar no estado de São Paulo e no país como um todo.

Publicidade