Valter Cardeal é um dos homens de confiança da presidente afastada #Dilma Rousseff. Ele está na mira da Operação Lava Jato, e é alvo da delação premiada da empresa Andrade Gutierrez, na qual explicará o papel de Cardeal no esquema de #Corrupção da Eletrobras, que envolve obras no setor de energia do país.

Quando Dilma era ministra no setor de Minas e Energia, no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Valter Cardeal foi trazido e indicado pela presidente para o governo de Lula. Ele é diretor da Eletrobras, juntamente com Adhemar Palocci, porém, está afastado do cargo desde 2015. Cardeal é considerado o chefe na estatal energética e comanda, indiretamente, todas as empresas relacionadas.

Publicidade
Publicidade

Ricardo Pessoa

O dono da UTC, Ricardo Pessoa, foi quem colocou pela primeira vez, o nome de Valter na Operação Lava Jato, citando um valor de R$ 30 milhões que seriam pagos em propina em Angra 3, ele foi chamado de "pessoa de Dilma". O fato do governo tentar retirar da conduta do juiz federal Sérgio Moro as investigações que mostram as propinas recebidas sobre as obras em Angra 3, foi supostamente devido, Valter ser de confiança da presidente Dilma.

Na delação de Andrade Gutierrez, foi entregue todo o esquema de corrupção no setor hidrelétrico das obras de Angra 3 e Belo Monte. A Lava Jato irá detalhar as descobertas que apontam que Valter Cardeal é a figura-chave para o pagamento de propina nas hidrelétricas de Belo Monte e de Jirau.

Cardeal já foi procurado pela imprensa para prestar esclarecimentos, na época, ele afirmou: "sou um homem de bem, nunca fiz nada errado na minha vida. Fui 46 anos do setor elétrico, sou diretor de empresas há quase três décadas. Estou em licença até que as investigações sejam concluídas."

Nesta quarta-feira (06), por volta das 6h da manhã, policiais federais foram na sede da Eletronuclear investigar desvios de recursos para a obra em Angra 3, em uma das fases da operação da Lava Jato, batizada de Operação Pripyat.

Publicidade

A PF busca informações na sala-cofre da empresa, na qual teria documentos importantes que podem se tornar relevantes para as investigações. #Petrobras