Nesta sexta-feira, 29, a revista Veja publicou o que seria o indício de uma prova misteriosa contra a presidente afastada Dilma Rousseff. Caso verdadeira, a prova seria capaz de fazer a representante do Partido dos Trabalhadores (PT) ser investigada por "caixa 2", levando até à uma possível prisão. Em tempo: a primeira mulher eleita à presidência nega ter conhecimento de "caixa 2" em sua campanha e disse que se houve qualquer negociação irregular não foi com sua autorização. Ela chegou a acusar o próprio #PT de participar das negociações com o marqueteiro João Santana, que confirmaria que Dilma realmente recebeu a grana irregular e que o dinheiro foi gasto até com despesas pessoais dela

Novas supostas provas encrencariam Dilma

A revista diz que em 2014 representantes de uma das maiores agência de publicidade do mundo, a Borghi Lowe, começaram a discutir o que fariam para salvar a campanha de Dilma, já que ela prometia ser bem acirrada.

Publicidade
Publicidade

Em uma reunião da empresa envolvendo seu vice-presidente Valdir Barbosa, ficou acertado que haveria um pedido de dinheiro para a campanha de Dilma. Na reunião também estava o diretor da Caixa Federal, Clauir Santos. Ficou então claro que o dinheiro não partiria do PT e que todos estavam apenas a cumprir as ordens do PT. 

Na época da conversa, a agência era responsável pelas contas da Caixa, envolvendo valores extraordinários, chegando a 560 milhões de reais. O pedido de ajuda para a campanha deixou todos da agência incomodados, como mostra um e-mail escrito em inglês na época. A empresa chegou a dizer ao representante da Caixa que a agência tinha normas que proibiam ajuda política. Ele ouviu do outro lado que as demais agências haviam aceitado o esquema. 

A insinuação era claro. Caso a Borghi Lowe não aceitasse doar para Dilma, ela poderia ficar sem o contrato alto.

Publicidade

O caso agora é investigado pela Polícia Federal e faz parte das investigações da Lava Jato. Para isso, é claro, o empresário terá que provar qual a relação direta de Dilma com o pedido, já que ela gosta de argumentar que não sabe de nada.  #Dilma Rousseff