Apoiado pelo PT, PCdoB e PDT, o novo presidente eleito na #Câmara dos Deputados é Rodrigo Maia. O democrata venceu Rogério Rosso no segundo turno.

Maia ganhou com uma diferença de 115 votos, tendo obtido 285 votos, superando os 50 votos a mais esperados pelos seus aliados. No primeiro turno ele havia obtido 120 votos.

O democrata que também teve apoio da antigas oposições (PPS, DEM, PSB e PSDB) já havia sido citado em 18 de maio deste ano, quando André Moura (PSC-SE) foi indicado para o cargo por Michel Temer. Porém sua candidatura ao cargo foi feita na última hora.

O líder do PT na Câmara, Afonso Florence (BA), havia anunciado na segunda (11), que não iria apoiar a candidatura de Maia, pois a intenção era fechar com a candidatura de outros petistas.

Publicidade
Publicidade

A eleição para a presidência da Câmara só aconteceu porque #Eduardo Cunha renunciou ao cargo, na última quinta-feira (7), dois meses depois de seu afastamento.

Cunha foi afastado do exercício do mandato pelo STF (Supremo Tribunal Federal) por suspeitas de que usava o cargo para interferir nas investigações contra ele nos processos da Lava Jato.

Rodrigo Maia assumiu em 2014 o seu quinto mandato. Em 2007, aos 37 anos, assumiu a Presidência Nacional do Democratas. O deputado já foi líder da bancada na Câmara por dois anos. E em 2015 foi presidente e relator da proposta de Reforma Política. Ele também é presidente da Comissão Especial da DRU.

Cassação do mandato de Eduardo Cunha

Ao responder sobre o processo de cassação do mandato de Eduardo Cunha, durante a coletiva de imprensa, Rodrigo Maia comentou que votou em Cunha e que chegou a apoiá-lo em muitas iniciativas, porém não irá perseguir ou proteger o deputado.

Publicidade

O processo que depende de decisão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) foi adiado para esta quinta-feira (14), após encerramento da sessão de comissão, sem que houvesse motivos aparentes, pelo presidente Osmar Serraglio (PMDB-PR), gerando revolta em muitos parlamentares.

Maia ainda falou sobre a necessidade de haver quórum elevado para votar a cassação de Cunha. #Dentro da política