#Dilma Rousseff foi reeleita em 2014 com mais de 54 milhões de votos, 2 anos depois, a presidente, agora afastada, sofreu um processo de #Impeachment, e a votação final para saber seu destino está cada vez mais próxima. A população está acompanhando o placar do processo, vale ressaltar que os índices aqui apontados foram retirados do portal ‘Estadão’, que diariamente contabiliza os votos dos parlamentares.

PSDB e PMDB dizem: Sim

Os dois partidos que mais fazem campanha para que o impeachment seja aprovado são o PSDB e PMDB, porém não são os únicos, o DEM e o PP também almejam o afastamento definitivo de Dilma e a permanência do presidente interino Michel Temer no poder.

Publicidade
Publicidade

Até o momento, 38 senadores votarão ‘sim’, entre os nomes mais conhecidos estão: Aécio Neves, Marta Suplicy, Romero Jucá e Eduardo Amorim.

PT, PDT, PTB e PSB dizem: Não

A maioria dos votos para a permanência de Dilma vem desses 4 partidos. Defendendo sua base, os parlamentares do PT alegam que o impeachment é um golpe orquestrado para tirar a presidente do poder, entre os senadores que votarão contra a proposta estão: Humberto Costa, Lindbergh Farias, Angela Portela, José Pimentel.

Um fato muito curioso é que o senador Roberto Requião, que é membro do PMDB, irá votar contra o impeachment, sendo que seu partido em peso votará a favor da proposta.

Ao todo já são contabilizados 18 ‘nãos’ no dia da votação do senado, sendo que 10 negativas estão partindo dos parlamentares do Partido dos Trabalhadores.

Publicidade

Os senadores que não opinaram:

19 parlamentares não opinaram seus respectivos votos, o que fará a disputa ficar ainda mais emocionante e deixará a votação completamente aberta. Entre os nomes mais conhecidos que não divulgaram seus pareceres estão: Fernando Collor de Mello, Otto Alencar, Lúcia Vânia, José Maranhão, Edison Lobão, Renan Calheiros, Roberto Muniz e Antonio Carlos Valadares.

Os que não decidiram:

6 senadores ainda se encontram em dúvida perante o processo do Impeachment de Dilma Rousseff, esses votos também serão decisivos, entre os nomes mais conhecidos estão: Romário e Cristovam Buarque.

Agora a presidente afastada terá que esperar a votação final do processo do impeachment, se for aprovado, Dilma não poderá voltar ao poder e ficará 8 anos inelegível, se a proposta for negada, a presidente retoma seu cargo, assim retirando Michel Temer do poder.

Se realmente Dilma Rousseff sofrer o impeachment, o PT planeja que Lula venha como candidato a presidência nas eleições de 2018.