Foi encaminhada, nessa quarta-feira (27), para a Procuradoria Geral da República, a grave denúncia de agressão, feita por uma jovem de 19 anos contra o senador Telmário Mota (#PDT-RR). Segundo consta nos autos, o senador é acusado de ter batido na jovem até que ela perdesse o sentido e desmaiasse. A denúncia foi feita no dia 26 de dezembro na Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam). Após um mês, a jovem voltou a polícia e tentou tirar a queixa contra o senador, porém, não foi bem sucedida porque a denúncia não pôde ser retirada e foi dado continuidade nas investigações.

No exame de corpo de delito foram confirmadas as agressões.

Publicidade
Publicidade

Foram constatadas lesões em diversas partes do corpo da jovem como boca, cabeça, orelhas, dorso, pernas e braços.

Depoimento aponta que senador teve uma crise de ciúmes

Segundo depoimento concedido pela jovem, o senador teve uma crise de ciúmes após ver a cena de sua “namorada” cumprimentando um tio. Após a cena, o senador teria levado a jovem para um quarto onde teria sido feitas várias agressões. Chutes, socos foram dados enquanto o senador tentava tapar a boca da estudante. As agressões continuaram até que a jovem perdeu os sentidos e desmaiou. No depoimento, a jovem estudante diz que acordo cinco horas após as agressões.

No depoimento, a jovem identificada como Maria Aparecida Nery de Melo, disse que mantinha um relacionamento com o senador havia pelo menos três anos. Durante esse período de relacionamento, a jovem afirmou que sempre sofreu agressões físicas e sofria ameaças de morte.

Publicidade

No dia 11 de fevereiro, a jovem voltou a delegacia e tentou retirar a queixa. Ela inverteu a história e disse que quem teve a crise de ciúmes em dezembro foi ela e não senador. Mas a queixa não pôde ser retirada e foi dado continuidade no processo.

Senador nega as acusações

Em entrevista ao site G1, o senador Telmário Mota negou todas as acusações. Sobre o relacionamento, ele confirmou o envolvimento com a jovem, mas afirmou que nunca a maltratou a ponto de fazer agressões. #Violência #Senado Federal