O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da operação Lava Jato, declarou que a prisão preventiva é uma necessidade para combater a #Corrupção que assola o Brasil. Moro disse que foram poucas as vezes em que uma prisão preventiva aconteceu para os investigados. No despacho que autorizou a Operação Abismo, um das fases da operação da Lava Jato, Sérgio Moro escreveu que "embora o Judiciário seja o guardião das liberdades fundamentais, também tem o dever de proteger vítimas de crimes, indivíduos e toda a sociedade, da reiteração delitiva, máxime em um quadro, em cognição sumária, grave de corrupção sistêmica".

Moro acredita que o fato da corrupção se instalar de forma severa no país, deve-se à falta de punição adequada, o que gerou uma proliferação.

Publicidade
Publicidade

A operação Abismo focou no ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, Paulo Adalberto Alves Ferreira, o juiz federal Moro acredita que o ex-tesoureiro, em liberdade, é um risco para a sociedade, e avaliou a carreira política do ex-tesoureiro no PT, que está na política desde o ano de 1982 e exerceu papel relevante no partido. Por conta disso, tem um forte poder político, e é possível que sua influência continue devido à sua longa trajetória política e aos cargos públicos que já ocupou.

O juiz também enfatiza que os prejuízos da Petrobras chegaram a cerca de R$ 6 bilhões, utilizados para pagamentos de propina, o que comprometeu gravemente a sociedade, Moro diz que é inaceitável políticos que feriram a sociedade com crimes administrativos e lavagem de dinheiro, continuarem no poder, sem maiores consequências. 

Sérgio Moro analisa que o Poder Judiciário existe para poupar a sociedade de riscos cometidos por políticos desonestos "nada pior para a democracia do que um político desonesto". Sérgio Moro ficou conhecido mundialmente pela forma como atua na linha de investigações da Lava Jato, que chegou na elite da sociedade brasileira, apontando grandes parlamentares envolvidos em casos de corrupção, incluindo o ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva.  #PT