O ministro das Relações Exteriores, José Serra, do PSDB, não quer saber de papo com representantes do Partido dos Trabalhadores (PT), especialmente quando esses estão trabalhando no mesmo órgão que ele. Muitos desses nomes são tratados como espiões, pois repassam informações importantes para a legenda da presidente afastada Dilma Rousseff. De acordo com informações do jornalista Cláudio Humberto, do Diário do Poder, em reportagem publicada neste sábado, 30, Serra decidiu acabar com uma das áreas que tinham mais críticas de diplomatas brasileiros, a Coordenação-Geral de Ações Internacionais de Combate à Fome. 

Essa área foi aparelhada a serviço do #PT durante o #Governo Dilma e servia como local para dar empregos aos apoiadores da petista.

Publicidade
Publicidade

Segundo o 'Diário do Poder', o órgão desafiava até mesmo a autoridade dos chanceleres. Entre os anos de 2011 e 2016, por exemplo, aconteceu o pior aparelhamento do órgão, quando esse foi chefiado por Milton Rondó. O ex-chefe era filiado ao partido de Dilma e acabou usando o Itamaraty para fazer críticas ao Brasil em todo o mundo. Essas demissões só se somam à outras das últimas semanas, uma das missões do presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, ao assumir o cargo. 

Essa pasta dentro do Itamaraty foi criada ainda na era Lula, um ano depois do ex-presidente assumir o cargo. O problema é que o órgão nunca teve uma posição realmente de importância no mundo e acabou não ajudando a acabar com a fome no planeta. Para quem não se lembra, Rondó virou manchete em todo o país em março desse ano, quando teve a ousadia de enviar circular, sem autorização do Itamaraty, instruindo embaixadas e consulados a divulgar a lorota do “golpe parlamentar” mundo afora.

Publicidade

Minutos depois o Ministério das Relações Exteriores, na época controlado por Gilberto Carvalho, solicitou que o comunicado fosse cancelado, passando ele a tornar-se sem valor. Após a mentira ser contada em todo o mundo, Rondó tem agora um presente "trágico" nas mãos de José Serra. Ele ainda pode pagar materialmente pelo mal que causou.