O presidente em exercício Michel Temer, do PMDB, conclamou as Forças Armadas brasileiras a agirem contra bandidos no Rio Grande do Norte. A informação foi confirmada pelo Palácio do Planalto, em Brasília, neste domingo, 31. O envio de tropas será imediato, mas o efetivo não foi anunciado até o momento. O pedido para que o Exército fosse às ruas do estado foi feito pelo governador Robinson Faria. Ele disse através de uma rede social já havia consultado diversos ministérios brasileiros e que estava apenas esperando o aval do presidente peemedebista.

Desde sexta-feira, 29, após o uso de interceptadores de sinal de celulares em presídios locais, existe uma onda de manifestações no Rio Grande do Norte.

Publicidade
Publicidade

De acordo com informações do G1, pelo menos 54 ataques já foram realizados em pouco mais de 48 horas. As incursões criminosas aconteceram também contra unidades policiais, veículos particulares e prédios do próprio #Governo. Além da capital natal, outras cidades potiguares também viram a violência aumentar explosivamente. O governador disse que os policiais do estado são muito dedicados, mas que estavam agora a receber uma ajuda muito bem-vinda. 

O Exército agora ficará na região até que a situação da Violência seja resolvida. Os militares ainda não haviam sido enviados para a região até às 21h05 no horário de Brasília. As informações dão conta que o governador do estado conversou com diversas autoridades governamentais para saber qual a melhor atitude a ser feita.  "Solicitei apoio das tropas do Exército para se somarem às nossas destemidas polícias no trabalho para garantir a segurança da população", diz o governador do estado que prendeu nos últimos dias cerca de 50 pessoas, sendo 37 adultos. 

Nas redes sociais, a rápida resposta do governo federal foi bastante elogiada, especialmente porque no momento os militares estão trabalhando para os jogos olímpicos do Rio de Janeiro.

Publicidade

O efetivo na cidade maravilhosa chega aos 88 mil homens e mulheres. O objetivo é travar qualquer possibilidade de terrorismo.  #Michel Temer