O presidente em exercício do Brasil, #Michel Temer realizou gestos de grande aproximação com os setores militares, especialmente com a cúpula do comando das Forças Armadas: Exército, Marinha e Aeronáutica. O presidente interino se reuniu na última sexta-feira (01), com os chefes militares e anunciou medidas de impacto, aceitas de modo positivo pelas Forças Armadas, em detrimento de sua antecessora, a presidente afastada Dilma Rousseff, que anteriormente havia retirado poderes conferidos aos comandantes da área, e muitas vezes, vista com um grau de desconfiança elevado, além de ter recebido críticas de oficiais da ativa e da reserva.

Vale ressaltar que a presidente afastada, no ano passado, durante o mês de setembro, assinou um decreto que elevou as tensões no meio militar, ocasionando críticas contundentes da área, ao tirar poderes dos comandantes , em relação á competência na assinatura de atos com referência a pessoal, como transferência de oficiais para a reserva, reforma de oficiais que estejam na ativa e reserva, além da promoção.

Publicidade
Publicidade

A assinatura desse decreto, segundo a imprensa, não correspondeu  a qualquer tipo de consulta da presidente afastada às Forças Armadas. Isto ocasionou reações extremamente negativas por parte dos comandantes e alguns oficiais da reserva e da ativa, chegaram a proferir críticas às medidas adotadas.

Michel Temer agrada área militar

O presidente interino Michel Temer, na reunião da última sexta-feira, agradou de modo substancial a área militar. Ele se reuniu com os comandantes, em encontro fechado à imprensa. Estavam presentes, além do presidente interino, os chefes militares das Forças Armadas do Brasil: Exército, Marinha e Aeronáutica, além do ministro da Defesa, Raúl Jungmann, ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha e o ministro da Justiça e da Cidadania Alexandre de Moraes. As novas medidas adotadas por Temer, vão de encontro ao desejo da cúpula militar, ao revogar o decreto da presidente afastada, Dilma Rousseff, e dessa forma, devolver os poderes dos comandantes, como por exemplo, restabelecendo os atos administrativos.

Publicidade

Outra medida impactante, prevê um canal direto entre a Presidência da República e as Forças Armadas. Os comandantes militares poderão despachar diretamente junto ao presidente. A medida, por consequência, diminui o poder do ministro da Defesa. Além das medidas propagadas, Michel Temer pretende já para o final do mês de julho, ratificar a promoção de 25 generais. A presidente afastada, Dilma Rousseff, era constantemente criticada devido à demora para assinatura dessa medida. Temer foi ainda enfático ao revogar atos do #Governo petista: "é preciso democratizar e reconstitucionalizar o País", afirmou. #Impeachment