Enquanto aguarda o desfecho do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), o presidente interino Michel Temer (PMDB) já articula suas ações caso assuma o cargo de forma definitiva - isto é, caso Dilma seja julgada culpada e tenha seu impeachment confirmado em meados de setembro, quando o julgamento deve ser encerrado.

De acordo com a coluna “Painel” do jornal Folha de São Paulo, Temer quer se aproximar da bancada petista para atenuar o mal estar causado após o afastamento e possível impeachment de Dilma, aumentando assim as chances de obter êxito em votações na Câmara e no Senado.

Para o periódico, a oposição com a qual Temer quer dialogar têm um nome e um rosto: o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva, líder petista que governou o país de 2003 a 2010 e que foi o mentor político de sua sucessora, Dilma Rousseff.

Publicidade
Publicidade

A publicação também afirma que, caso seja confirmado no cargo, Temer realizará sua primeira viagem oficial como presidente do Brasil para a China, onde negociará operações comerciais com o país asiático. #Michel Temer #Dentro da política