O presidente interino da República, #Michel Temer (PMDB), recebeu na residência oficial da vice-presidência, Palácio do Jaburu, os presidentes do Senado e Câmara, Renan Calheiros (PMDB-AL) e Rodrigo Maia (DEM-RJ), respectivamente, na noite desta terça-feira (19). O encontro, que durou cerca de 4h, entre o chefe do executivo e as duas principais lideranças do legislativo nacional teve como objetivo a "pacificação" e "colaboração" entre os poderes.

Ficou bastante claro para ambos os presidentes das casas legislativas que o Executivo busca apagar o incêndio do cenário político que se encontra atualmente. Para Maia, esse é o momento dos poderes se unirem para colaborar com o país.

Publicidade
Publicidade

Já Renan disse que Temer ficou animado durante o jantar por perceber que poderá contar com o apoio da Câmara e do Senado.

Rodrigo Maria foi o autor de uma das frases mais emblemática pós-jantar para definir o que havia sido discutido durante a reunião:

"A agenda da superação da crise econômica vai nortear os nossos trabalhos", afirmou.

Com Maia na presidência da Câmara nesse segundo semestre é de se esperar que a Casa Legislativa tenha um tom mais brando e se afaste das pautas polêmicas sociais, como a maior idade penal ou aborto, por exemplo. O objetivo de Temer é abrir um diálogo de discussão com a Câmara para que ela possa aprovar propostas econômicas "amargas" para a sociedade, pois entende que, para sair da crise, serão necessários alguns ajustes no orçamento ainda.

Propostas

Temer levantou algumas pautas de projetos que correm nas casas legislativas e que seriam de fundamental importância o engajamento dos presidente na aprovação para os interesses do Executivo. 

Um dos assuntos tratados foi a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de Desvinculação de Receitas da União.

Publicidade

Essa PEC estabelece que a União tenha livre poder de gasto em 30% de sua arrecadação até 2023.

Outra proposta que Temer afirmou precisar ser aprovada, e com celeridade, trata-se da PEC do teto dos gastos. O texto dessa proposta determina que as despesas do governo não podem ter um crescimento maior do que o da inflação. A principal discussão da PEC do teto dos gastos é porque ela determina um valor estipulado para os investimentos em Saúde e Educação.

A importância dos presidente é justamente articular a aprovação dessas duas PECs de interesse do governo que, imagina o Executivo, são importantes para folgar o orçamento da União. 

Funções no jogo

Rodrigo Maia mal chegou a presidência da Câmara, em substituição a Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e já sabe qual será sua função primordial caso queira um bom relacionamento com o executivo: apaziguar o plenário da Câmara, que andou tão convulsionado tendo Cunha como presidente da Casa.

Já Renan Calheiros segue na mesma toada. Sua relação com Temer não é e nunca foi das mais amistosas.

Publicidade

Pelo próprio partido é visto como uma possível força de oposição aos interesses da presidência da República. Porém, nem Temer, nem seus aliados podem jogar Calheiros na fogueira, ainda, como já fizeram com Cunha, pois precisam da aprovação do Senado no processo de impeachment. #Câmara dos Deputados #Dentro da política