Era pra ser um dia de festa. Centenas de pessoas de São Paulo e do Rio de Janeiro saíram às ruas neste domingo (3) para demonstrar apoio ao deputado Jair Bolsonaro. O congressista se emocionou e se empolgou ao ver a multidão de apoiadores gritando seu nome no Rio de Janeiro. Cerca de 100 pessoas o aplaudiram, o saudaram e até mesmo usaram camisas com seu nome ou foto. Animado com o apoio popular, Bolsonaro decidiu dar um show para as câmeras. Como se fosse um astro do rock, o parlamentar decidiu realizar um "mosh" ou um "stage diving", prática de mergulhar do palco sobre uma plateia e ser carregado sobre ela, apoteoticamente.

No caso, o "palco" era uma van.

Publicidade
Publicidade

Bolsonaro apontou para o público, fez sinal de que iria saltar, combinou tudo. Pulou, esperando os braços para o alto, o apoio, o acolhimento, e o momento de glória para as câmeras de TV e fotógrafos. Literalmente, quebrou a cara. O congressista, primeiro, saltou de forma atabalhoada, em uma posição diagonal, nem em pé nem deitado, dificultando que as pessoas embaixo o segurassem. Além disso, os seus apoiadores não foram tão apoiadores assim. No #Vídeo é possível ver que as pessoas se afastam quando ele dá o salto. Assista:

O "mico" é completado pelo restante da equipe que está sobre a van. Os apoiadores que estavam ao lado de Bolsonaro durante a queda incluíam um rapaz fantasiado de policial, outro vestido de Capitão América, um Batman e até o personagem "Paulo Cintura", da antiga Escolinha do Professor Raimundo.

Publicidade

Paulo Cintura (o ator Paulo César Rocha) ainda tentou evitar que Jair Bolsonaro desse o salto, mas o rapaz, infelizmente, não lhe deu ouvidos.

Antes do stage diving Bolsonaro já tinha feito outras "performances" durante o comício. Um vídeo mostra o deputado fazendo flexões com o Batman e com Paulo Cintura. O exercício teve "contagem" em coro pela multidão, por cada flexão realizada, além de gritos de "mito, mito, mito" e "um, dois, três, quatro, cinco, mil, queremos Bolsonaro presidente do Brasil". Assista:

A manifestação foi organizada após Jair Bolsonaro se tornar réu no STF pelo crime de apologia ao estupro.