O deputado federal e presidente interino da câmara, Waldir Maranhão, anulou a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito da União Nacional dos Estudantes. O grupo é apontado como recebedor de dinheiro público do governo federal, entre 2011 e 2014.

A CPI foi instaurada em maio, quando o até então presidente da câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) acatou o pedido do deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP). Nos autos do pedido, o deputado demonstrou algumas reportagens sobre as irregularidades identificadas por importantes meios de comunicação e o objetivo era investigar a veracidade dos fatos.

UNE recebe indenização milionária

Dentre as irregularidades que seriam investigadas está o fato levantado do movimento ter recebido quase R$ 45 milhões de indenização do governo federal, durante a gestão da presidente afastada, devido a sua sede ter sido, supostamente, queimada em 1964, e o terreno onde a sede ficava ter sido doado para terceiros.

Publicidade
Publicidade

Orlando Silva, do Partido Comunista do Brasil, e Erika Kokay, do Partido dos Trabalhadores, formularam uma questão de ordem ao presidente interino, Waldir Maranhão, para anular a CPI, uma vez que, segundo o documento apresentado pelos parlamentares, não havia justificativas legais para a instauração da comissão contra o grupo.

Pelas redes sociais, políticos e membros da UNE comemoraram a rejeição da comissão por Maranhão. Internautas favoráveis às investigações demonstraram indignação através de páginas e grupos na internet.

Supremo decide não se envolver

Um grupo de parlamentares do PSDB, PSC e PTB buscou amparo no Supremo Tribunal Federal para que a CPI não fosse anulada, mas a resposta foi que a decisão deve ser tomada pela câmara e não pelo STF, negando o pedido dos políticos.

A assessoria dos deputados federais que apoiam a criação da comissão não informou o que pretendem fazer para conseguir a instauração das investigações.

Publicidade

Como a eleição para escolher o novo presidente da Casa será dia 14 de julho, é esperado que qualquer medida seja tomada somente após a escolha do substituto de Eduardo Cunha. #PT #Câmara dos Deputados #Dentro da política