Ex-ministro da Justiça e atual advogado da presidente #Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, já dá sinais de que pode abandonar sua cliente. Oficialmente, ele nega que haja qualquer problema com a petista ou com o partido que a elegeu, o Partido dos Trabalhadores (PT). No entanto, na prática, #José Eduardo Cardozo surpreende e já até fala mal do #PT, mesmo que em tom ponderado. Pessoas mais próximas ao ex-Ministro garantem que ele está chateado por não conseguir reverter o que era praticamente impossível, a deposição da política. Além disso, o profissional da justiça estaria com receio de voltar para o mercado. Ele se dedicou completamente à Dilma nos últimos meses. 

Para piorar, Rousseff é conhecida por não ser uma das pessoas mais delicadas da face da terra.

Publicidade
Publicidade

Nesta terça-feira, 23, por exemplo, o ex-Advogado-Geral da União disse que o PT precisa assumir seus erros e mudar. Para fazer meia culpa, o jurista disse que a legenda tem uma importância histórica no país, mas que é necessária a reflexão. A fala que mais surpreende de Cardozo é o que ele chama de repensar o sentido de democracia. A revelação dessa opinião foi dada pelo advogado em entrevista ao programa 'Roda Viva', da TV Cultura. 

Sob suspeita

Para Eduardo, o partido ganhou negativismo ao tentar trabalhar contra a corrupção e esse é o seu legado. Segundo o ex-Ministro, Dilma acabou sendo vítima da própria luta, vendo o seu próprio governo alto de investigações justamente porque apoiou o trabalho da Polícia Federal. Não é assim que pensa o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot. Ele solicitou ao Supremo  Tribunal Federal (STF) que abrisse um inquérito contra Rousseff.

Publicidade

Teori aceitou o pedido, mas ainda é necessário uma análise da maioria dos Ministros para que a investigação contra a presidente afastada realmente comece. 

A suspeita de Rodrigo Janot é que a companheira política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenha tentado barrar a Operação Lava-Jato e, consequentemente, o trabalho do juiz federal Sérgio Moro.