Muitos dos advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já sugerem que ele está louco após o representante do Partido dos Trabalhadores (PT) enviar uma petição à Organização das Nações Unidas (ONU) contra o trabalho do juiz federal Sérgio Moro, que comanda a Lava-Jato. A informação foi confirmada nesta segunda-feira, 01, pela colunista Monica Bérgamo, do jornal 'Folha de São Paulo'. Segundo a repórter, nem mesmo os juristas que trabalham para o petista foram unânimes de que solicitar apoio à ONU era uma boa ideia. 

Monica diz que as opiniões dos advogados foram bastante diversas. Uns chegaram a chamar a medida polêmica de inútil, além de implica em um grande risco, sendo classificada com um tiro no pé.

Publicidade
Publicidade

Para os argumentos dessa ideia, os contratados para defender o companheiro da presidente afastada Dilma Rousseff chamaram o ato de "tiro no pé", já que provocaria uma união dos magistrados de todo o Brasil, como acabou acontecendo. Um dia depois do pedido de Lula ser divulgado pela imprensa, a Justiça do Distrito Federal colocou o ex-presidente como réu na Lava Jato. O marido da ex-primeira dama Marisa Letícia foi acusado de tentar obstruir a Justiça.

O ex-líder sindical, outros políticos e empresários são acusados de tentarem comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró. Até mesmo Sérgio Moro, que evitava bater de frente com os polêmicos discursos de Lula, chegou a se pronunciar em um despacho enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), apos a defesa do petista argumentar que Moro não teria competência para julgá-lo, além de não possuir a imparcialidade necessária para o caso. 

A jornalista da 'Folha de São Paulo' diz que um dos advogados revelou à ela que ele mesmo chamou a atitude do político de "maluquice".

Publicidade

O pedido dele teve repercussão em pelo menos 48 países, devido à estranheza da situação e pelo fato do Brasil estar em evidência em todo o planeta por conta da Olimpíada do Rio de Janeiro e do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. #Governo #PT