Nesta quinta-feira, 18, o colunista político Alexandre Garcia detonou a presidente afastada #Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), durante participação no 'Bom Dia Brasil', telejornal matinal da Rede Globo de Televisão. Segundo o jornalista, as pesquisas mostram que a petista não está fazendo a menor falta ao Brasil, citando que a economia brasileira já dá claros sinais de melhora. Em seguida, ele comentou a carta chamada de "despedida" da petista, que foi apresentada ao povo brasileiro nesta terça-feira, 16. O texto causou muita polêmica por pedir um plebiscito, no qual Rousseff voltaria ao governo para pedir que ela mesmo saísse e colocasse outra pessoa em seu lugar. 

Segundo #Alexandre Garcia, além de tardio, o texto mostra que a petista está errando na argumentação.

Publicidade
Publicidade

Ela diz que está sendo vítima de um "golpe parlamentar", pois não seria o povo através de uma eleição que quer tirá-la do posto mais importante da política brasileira. O jornalista então lembra que não existe eleição de Recall no Brasil e que a constituição está seguindo o que é previsto, que é o processo de #Impeachment. O comentarista da TV Globo lembra também que só um milagre salvaria o cargo da companheira política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, falando que ela necessitaria de pelo menos dez votos. 

Além disso, Alexandre falou que Dilma tanto diz que a democracia do Brasil está em perigo, mas ela mesmo durante o regime militar participou de grupos que apoiavam a ditadura cubana. "Se ela tivesse vencido naquela época, talvez nem tivéssemos democracia e ela nem teria sido eleita pelo povo", contou o apresentador.

Publicidade

Rousseff chegou a ser presa durante o período militar. Ela se diz vítima da "ditadura" e conta que foi fortemente violentada na cadeia pelo General Brilhante Ustra, recentemente homenageado pelo deputado federal Jair Bolsonaro, do PSC. 

Veja abaixo o vídeo que mostra Alexandre Garcia detonando a mulher que tenta a qualquer custo retornar ao poder e que pede um novo plebiscito ao Brasil: