Nesta terça-feira, 23 de agosto, a deputada distrital Celina Leão (PPS) foi ao plenário desabafar sobre as denúncias e ações que envolveram o seu nome e a mesa diretora da #câmara legislativa do Distrito Federal/CLDF, na Operaçao Drácon, que segue com investigações do Ministério Público do DF e da Polícia Civil.

“Eu não vou admitir que, diante de supostas irregularidades, deputados oportunistas, querendo 5 minutos de fama, venham denegrir minha imagem”, comentou a distrital Celina Leão.

A parlamentar assumiu que tem total confiança no trabalho da Justiça do DF e do Ministério Público. Acrescentou que, inclusive, no governo de Agnelo Queiroz, esteve por várias vezes na instituição, para fazer oposição, sem apoio da casa legislativa e que vários processos seguem com investigações da gestão anterior.

Publicidade
Publicidade

Ela posicionou também que a mesa diretora não deixará de fazer oposição ao atual governo.

“Uma suposta denúncia, de uma deputada, que tem três condenações e uma condenação penal de dois anos. Condenada”, atacou Celina Leão. “Eu nunca conversei nada com a deputada Liliane Roriz, nada que fosse republicano”.

Em nota, o Bloco Sustentabilidade e Trabalho reafirma a posição de cobrar a apuração rigorosa dos fatos, com transparência, em todas as esferas - judicial e legislativa. "Por isso, defendemos que os deputados envolvidos nas denúncias se afastem de seus mandatos até que o caso seja totalmente esclarecido", finaliza o texto assinado por Chico Leite (Rede), Cláudio Abrantes (Rede), Joe Valle (PDT), Professor Israel (PV) e Professor Reginaldo Veras (PDT).

Já o Partido dos Trabalhadores cobra medidas rápidas para o reestabelecimento dos trabalhos da Casa, bem como a apuração isenta das denúncias e a punição dos culpados. 

Os deputados petistas Wasny de Roure, Chico Vigilante e Ricardo Vale também esperam que a Mesa Diretora em exercício - sob o comando temporário do vice Juarezão (PSB) - requisite a abertura imediata de representação no Conselho de Ética da Casa e a substituição dos deputados distritais da CPI da Saúde envolvidos nas investigações do Ministério Público.

Publicidade

Além dos distritais, foram alvo da operação da Polícia Civil e do Ministério Público o servidor Alexandre Braga Cerqueira; o ex-secretário-geral da Casa ,Valério Neves Campos; e o ex-presidente do Fundo de Saúde, Ricardo Cardoso dos Santos. #política em brasília #Política